Review do game nacional de RPG Mandinga: Um conto de Banzo

Confira a nossa review do game indie nacional Mandinga: Um conto de Banzo. É um interessante RPG inspirado no Brasil imperial!

Mandinga Um conto de Banzo

Review do game nacional de RPG Mandinga: Um conto de Banzo

Existe muitos RPGs brasileiros? Existe, e hoje trazemos para vocês o review do game nacional Mandinga: Um conto de Banzo. O jogo indie foi lançado em 17 de setembro de 2021, para Steam, e conseguiu vários comentários positivos pela plataforma e por internet afora. Inclusive, o seu enredo é muito interessante!

O jogo foi inspirado na história do Brasil, no período imperial. Entretanto, não foi apenas o Brasil imperial que inspirou a criação do jogo! Uma das principais inspirações foram as ideias do mestre em História Suâmi Abdalla-Santos! Além disso, Mandinga: Um conto de Banzo foi desenvolvido pelo brasiliense Philippe Lepletier, fundador da Uruca Game Studio. Válido ressaltar que o projeto teve apoio do Fundo de Apoio a Cultura do Distrito Federal. Dessa forma, não deixem de conferir a nossa review do game nacional Mandinga: Um conto de Banzo.


O enredo de Mandinga: Um conto de Banzo

Review do game nacional Mandinga: Um conto de Banzo

O Brasil imperial de 1826. O país era considerado um paraíso de belezas naturais, entretanto também tomado por injustiças, violência e opressão. É nesse contexto que surgem: dois herois: Akil, o Mandinga, e Obadelê, Iorubá. Akil é um muçulmano com um vasto conhecimento, como a leitura e a escrita, enquanto Obadelê é um forte guerreiro capoeirista. Juntos, então eles precisam superar suas diferenças para poder lutar por sua liberdade!

Captura de Tela: Mandinga Um conto de Banzo
Captura de Tela: Mandinga Um conto de Banzo

Akil e Obadelê foram sequestrados no continente africano para as atrocidades do trabalho escravo. Quando fogem de seus algozes, a sua jornada é até o Quilombo do Urubu. Mas para essa jornada, os dois heróis precisam enfrentar vários inimigos: feitores, capitães do mato, bandeirantes e até mesmo animais selvagens. De uma forma divertida, Mandinga: Um conto de Banzo resgata temas da história brasileira, especialmente o sistema escravocata. Como o racismo está presente até os dias atuais em nossa sociedade, então é uma ótima forma de mostrar como é nossa história!

Jogabilidade e Mecânicas

Review do game nacional Mandinga: Um conto de Banzo
Captura de Tela: parte do mapa de Mandinga: Um conto de Banzo

Mandinga: Um conto de Banzo conta com cenários bonitos e uma boa jogabilidade. Os seus cenários principais são a fazenda de plantação de cana-de-açúcar e as cidades da Bahia. O estilo de batalhas é em turnos, assim como os clássicos RPGs, mas com a diferença de uso de dados. Possivelmente, com uma inspiração nos RPGs de mesa. Além disso, conta como recursos os golpes de capoeira, poderes evocados de orixás e a força dos escritos do alcorão.

Review do game nacional Mandinga
Captura de Tela: Mandinga: Um conto de Banzo

Itens equipáveis, como armas, armaduras, acessórios e habilidades destravadas por nível fornecem um dado para o conjunto do personagem. Entretanto, cada personagem pode jogar um máximo de 5 dados por batalha. Então, os jogadores devem montar até cinco desses conjuntos para serem usados durante a batalha! E relaxem, pois pode trocar esses conjuntos caso desejar!

A arte do jogo

Não posso dizer que não gostei bastante das artes de Mandinga: Um conto de Banzo. Afinal, a nostálgica pixel art ficou lindíssima em todo o jogo, com todo um cuidado com os detalhes. E nos momentos de diálogos, uma arte mais atual e igualmente bela! No final da review, você ainda poderá ver mais capturas de tela e apreciar a arte linda desse jogo!

Considerações finais sobre a Review do game nacional Mandinga: Um conto de Banzo

A Uruca Game Studio começou a produzir jogos com temáticas brasileiras desde o lançamento do jogo Banzo: Mark of Slavery. E, agora, teve o lançamento do maravilhoso jogo Mandinga: Um conto de Banzo.

O roteiro foi feito por Lahiri Abdalla, e destaca as diferentes culturas dos povos africanos e afro-decendentes. O roteirista diz em entrevistas que considera importante mostrar as individualidades das pessoas escravizadas. Eles não eram apenas escravos, mas pessoas com diferentes crenças e idimoas. A canção tema é Jogo de Angola, composta por Mauro Duarte e Paulo Cezar Pinheiro e gravada pela cantora Renata Jambeiro em seu disco Sambaluaiê.

Em conclusão, essa é a nossa review do game nacional Mandinga: Um conto de Banzo. Não deixem de conferir o jogo pelo Steam.

Leia também em nosso portal Análise de NEO: The World Ends With You.

Assista ao trailer:

Capturas de tela de Mandinga: Um conto de Banzo

Goiana. Arqueóloga, focada em Educação Patrimonial. Redatora. Escritora. Apaixonada pela Cultura Brasileira e pela Cultura Geek. Cosplayer nas horas vagas gótica e gamer. Aqui no Meta Galáxia, colaboro com matérias sobre o universo geek: notícias, entrevistas com cosplayers, listas de filmes e animes, análises de animes e jogos, curiosidades e muito mais!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here