3 Tonelada$: Assalto Ao Banco Central (Netflix) – Resenha

Minissérie documental da Netflix mostra os bastidores - e consequências - do maior furto do Brasil

Mais uma minissérie documental Netflix, 3 Tonelada$: Assalto Ao Banco Central aposta em uma das mais insanas histórias policiais do Brasil e que, até hoje, tem impacto no crime organizado do país e que quase adquire status de lenda.

Diferentemente do longa fictício dirigido por Marcos Paulo em 2011 e estrelado por Lima Duarte, que deu ao golpe ocorrido em 2005 ares de La Casa de Papel, o documentário da Netflix expõe especialmente o que ocorreu após o roubo – uma sucessão de tragédias que se sucederam a todos os envolvidos no mais famoso roubo da história do Brasil.


SINOPSE DE 3 Tonelada$: Assalto Ao Banco Central

3 tonelada$ assalto ao banco central policia federal

A minissérie documental apresenta, especialmente pela ótica da Polícia Federal e dos principais jornalistas que cobriram o caso, os bastidores da invasão e roubo ao Banco Central de Fortaleza, em 2005, o maior da história do país até então – onde mais de 160 milhões de reais foram saqueados.

Ao longo dos três episódios, descobrimos como o plano se deu, quem foram seus patrocinadores, o destino dos criminosos e como a polícia, inclusive, impediu outros golpes semelhantes país afora. E que as consequências do crime renderam investigações até o dias de hoje.

O QUE FUNCIONA NA SÉRIE

Um ponto bastante positivo em 3 Tonelada$: Assalto Ao Banco Central é o conjunto de relatos e acervo apresentado para dar o amplo contexto desse complexo e histórico roubo, que envolveu mais de 30 criminosos especialistas em diversos fundamentos.

A narrativa entre os três episódios também é bem amarrada, com começo, meio e fim: o primeiro episódio traz uma visão mais geral, com a repercussão na imprensa, na polícia e dentro do próprio universo do crime. O segundo traz a origem do golpe e se aprofunda em seus principais arquitetos e executores; e o terceiro mostra as consequências e o desfecho quase sempre trágico que estes personagens tiveram.

O documentário cumpre um papel relevante em desromantizar o roubo de 2005. Embora tenham triunfado na execução do genial golpe, uma ação verdadeiramente cinematográfica, todos os envolvidos tiveram suas vidas infernizadas após o feito – seja por outros criminosos ou mesmo por policiais corruptos. Os momentos em que a série se aprofunda nessas histórias, especialmente no dois últimos episódios, são o ponto alto da obra.

O QUE NÃO FUNCIONA

Entre as narrativas, há uma série de inserções de dramatização que, de modo franco, nada acrescentam à construção do roteiro. Na verdade, parecem destoar dele.

Por outro lado, as entrevistas são bastante ricas. Os delegados e investigadores da PF, bem como os jornalistas e mesmo o ex-integrante do atraco, são personagens bastante articulados e que parecem ter muito a contar; logo, poderiam ser mais explorados, bem como os arquivos de acervo, que dão mais vivacidade a quase inacreditável trama.

Há também alguns saltos temporais que por vezes parecem desconectados, tornando a narrativa menos fluída.

3 Tonelada$: Assalto Ao Banco Central vale a pena?

Apesar de alguns deslizes, se enquadrando no famoso “poderia ser melhor”, 3 Tonelada$: Assalto Ao Banco Central ainda é mais um ótimo documentário nacional da Netflix, cuja história, por si só, já merece bastante atenção. A minissérie tem mais acertos que erros e suas três horas de duração passam voando.

Confira outras resenhas, notícias e matérias de séries aqui no Meta Galáxia. Siga o Meta Galáxia nas redes sociais!

ANÁLISE CRÍTICA - NOTA
3 Tonelada$: Assalto Ao Banco Central
Escritor, publicitário, louco por esportes e entretenimento. Autor de A Última Estação (junto com Rodolfo Bezerra) e CEP e um dos fundadores do Meta Galáxia.
Apesar de alguns deslizes, se enquadrando no famoso "poderia ser melhor", 3 Tonelada$: Assalto Ao Banco Central ainda é mais um ótimo documentário nacional da Netflix3-toneladas-assalto-ao-banco-central

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here