Análise da trilogia Rua do Medo da Netflix

Confira a análise de um dos mais recentes lançamentos da Netflix: a trilogia Rua do Medo!

69

Confira a análise do recente lançamento de terror da Netflix: a trilogia Rua do Medo!

Ano: 2021
Título Original: Fear Street
Direção: Leigh Janiak
Roteiro: Leigh Janiak e Phil Graziadei
Classificação Indicativa: 18 anos

A trilogia Rua do Medo foi lançada em julho pela Netflix, baseada nos livros de Robert Lawrence Stine e com seu primeiro volume lançado em 1989! A trama é uma ficção de horror, e nós não poderíamos deixar a oportunidade de fazer a análise! Afinal, estávamos empolgados aqui com o lançamento!

Rua do Medo: 1994

Parte 1 da trilogia Rua do Medo

“Começou com uma brincadeira e terminou com um assassinato.”

A trama da história se passa em 1994, conforme o título do filme. Heather é assassinada no seu local de trabalho, juntamente a várias outras pessoas que estavam presentes no shopping da cidade. Shadyside continua fazendo jus ao apelido: cidade do assassinato. Os colegas de escola de Heather, incluindo os irmãos Deena (Kiana Madeira) e Josh (Benjamin Flores Jr), passam a ser perseguidos por um grupo de assassinos mascarados.

Josh é o típico nerd e percebe que eles que não são as primeiras vítimas e que a cidade tem uma longa história de assassinatos brutais que acontecem há anos. Agora os dois irmãos e seus amigos precisarão descobrir uma forma de impedir os assassinos, que estão relacionados à Sarah Fier, uma bruxa enforcada no ano de 1666 e que amaldiçoou a cidade. Ainda mais que Sam (Olivia Scott Welch) é o alvo principal da bruxa, e Deena fará de tudo para salvar sua namorada.

E quem tem pistas da história da bruxa é Cindy Berman (Gillian Jacobs), a única que viu a bruxa e sobreviveu. Cindy contará aos irmãos o que ocorreu no acampamento, no ano de 1978. De todos os filmes da trilogia Rua do Medo, certamente esse é o menos interessante. Não que já não tenha muitas mortes (e muito sangue), mas talvez porque seja nos próximos filmes que começa a ficar ainda mais assustador e a gente começa a entender melhor a história da bruxa.

Rua do Medo: 1978

Parte 2 da trilogia Rua do Medo

No ano de 1978 acontece mais uma onda de assassinatos brutais – e todas as mortes estão conectadas! O filme é a Cindy narrando o que se passa durante o acampamento, onde jovens das cidades de Shadyside e Sunnyvale se encontram e descobrem que as duas cidades estão unidas pelo mistério dos assassinatos.

Cindy foi para o acampamento com a sua irmã Ziggy, mas voltou sozinha para casa. E é aqui nesse filme que começa a ficar mais insano: sai um pouco daquela sensação de “nossa, isso é mais um filme clichê de maldições de bruxas”; desenvolve melhor os personagens e com muito mais terror!

Rua do Medo: 1666

Este é então o terceiro e último filme da trilogia e está dividido em duas partes. A primeira parte é no ano de 1666, onde conhecemos finalmente a história da bruxa Sarah Fier e o que levou à maldição da cidade. Quem interpreta a bruxa e seu irmão são novamente a dupla Kiana Madeira e Benjamin Flores Jr.

A segunda parte do filme volta para o ano de 1994, quando os dois irmãos Deena e Josh já sabem então o que realmente amaldiçoou a cidade e correm atrás de por um fim nisso – mesmo que seja na base do ódio! E claro, bastante perigo os aguarda!

Trilha sonora

Quem escolheu a trilha sonora da trilogia foi cuidadoso e não é difícil notar, já que alguns dos personagens são bem fanáticos em música, incluindo Josh e Ziggy. Josh ouvia muitos sucessos do Heavy Metal das décadas de 1980 e 1990, como por exemplo Iron Maiden. Ziggy também gostava de ouvir clássicos do Rock, como Kansas que já fazia sucesso na década de 1970. Aqui, o comentário será curto, mas sempre reparamos quando o áudio e trilha sonora dos filmes são ruins, não é mesmo?

Considerações sobre a trilogia Rua do Medo

Pode-se dizer que filmes de terror com bruxas já é algo clichê da indústria cinematográfica dos Estados Unidos. Caras fantasiados de esqueletos e policiais que nunca acreditam nos adolescentes pode já parecer cansativo, depois do lançamento de A Bruxa de Blair (1999). A trilogia Rua do Medo não ficou perfeita, mas também não ficou ruim. Então se você curte filmes de terror, poderá gostar sim da trilogia.

E antes de decidirem se vão assistir ao filme (ou qualquer outro filme), por qualquer comentário ou análise: preste atenção se não é uma análise preconceituosa. Sim, é uma trama clichê, mas muitos comentários na internet são comentários preconceituosos relacionados ao elenco. Sempre há aquela pessoa que não gosta de ver artistas negros com os personagens principais, então né? Como quem já estudou teatro, certamente eu discordo completamente de quem comenta que o “elenco é péssimo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here