Green Book: O Guia (2018) – Resenha

0
42

Green Book: O Guia – Resenha do filme premiado com o Oscar de Melhor Filme do ano de 2018

green-book-resenha-poster.jpg

Ano: 2018
Título Original: Green Book
Dirigido por: Peter Farrelly
Avaliação: ★★★★★ (Excelente)

Incisivo e tocante, Green Book: O Guia se tornou, na noite do dia 24 de fevereiro, o mais novo vencedor da categoria de Melhor Filme do Oscar, entrando para a história ao faturar o prêmio mor da Academia diante dos favoritos Bohemian Rhapsody, Infiltrando na Klan e Roma.

Apesar de, quase como sempre, não ser uma opinião unânime, o longa possui todas as características que o fazem merecedor de tal prêmio e conta, especialmente, com um show de atuação de seus protagonistas e uma proposta bastante clara.

green-book-resenha-01.jpg

Green Book é baseado em uma história real, apresentando Tony Vallelonga (Viggo Mortensen) – ou Tony Lip, como é chamado pelos conhecidos -, um faz-tudo de origem italiana que, após colecionar uma série de confusões e sempre pulando de emprego em emprego, tem seu caminho cruzado com o excêntrico músico Donald “Doc” Shirley (Mahershala Ali).

Tony é contratado para ser o motorista de Doc em sua turnê pelo sul dos Estados Unidos, que deve durar cerca de dois meses. Para isso, precisa abdicar de sua família durante esse período e trabalhar em tempo integral para o músico, não somente conduzindo-o, mas se tornando uma espécie de manager de sua tour.

green-book-resenha-02.jpg

E neste ponto se apresenta a grande questão do filme. Green Book é ambientado nos ano sessenta, onde ocorreu o auge do segregacionismo estadunidense, que ocorreu especialmente no sul do país – algumas cidades, inclusive, sequer permitiam a circulação de negros. E a segunda forja da trama, apresentada logo no início, é que o próprio Tony, por sua vez, também era um racista nato.

Logo, temos o eixo central da trama: um homem racista que precisa dobrar seu preconceito para trabalhar, e não somente isso, passar oito semanas ao lado de seu patrão negro na região considerada a mais perigosa para negros nos Estados Unidos naquela época.

Este cenário, obviamente, desdobra uma série de situações tensas e dramáticas que vão elevando o status dos personagens no filme, tornando a relação entre eles mais forte, fazendo com que suas diferenças sejam postas à prova e que o período da turnê signifique uma mudança profunda e definitiva em suas vidas.

green-book-resenha-03.jpg

Não são poucas as observações postas por Green Book. Uma delas, talvez a mais significante e que apresente o melhor diálogo do filme, é justamente sobre o que é chamado de racismo reverso – quando uma pessoa branca diz sofrer mais racismo que um negro. Situação essa que ainda permeia o cotidiano da nossa sociedade e geralmente é relativizada.

Outro ponto – talvez o que dê maior profundidade ao filme – é o universo interno de Don Shirley, um sujeito de sucesso na música e considerado um raro talento, mas que vive infeliz e sozinho, pois, ao mesmo tempo que não se vê pertencente à elite branca americana, para a qual toca, também se vê distante da maior parte da população negra, pois sabe que, naquele instante, ocupa uma posição de privilégio em relação à ela.

green-book-resenha-04.jpg

Todas as situações são muito bem exploradas pela direção e captadas em essência nas atuações memoráveis de Mahershala Ali – certamente um dos nomes mais proeminentes de Hollywood nesta década – e Viggo Mortensen, que há tempos deixou de ser apenas Aragorn e se mostra cada vez mais um ator com enorme veia dramática.

green-book-resenha-05.jpg

Green Book conta, ainda, com uma trilha sonora fantástica e adorável sessentista, bem como toda perfeita ambientação de diferentes regiões dos Estados Unidos naquela década. A música está presente praticamente do começo ao fim da trama.

É, por fim, um filme que, em sua essência, cumpre perfeitamente o design clássico das narrativas, onde cada etapa da montagem da história é concluída e entregue de forma perfeita ao espectador, sem deixar confusões. A mensagem é clara e resoluta; e a indignação com algumas das situações ali expostas confirma que ainda vivemos em uma sociedade recheada de preconceitos e não tão distante daquela realidade.

green-book-resenha-06.jpg

Green Book: O Guia pode não ser o filme com melhores aspectos técnicos ou maior representatividade, e é inegável que o “americanismo” do filme tenha pesado para sua premiação; entretanto, possui toda competência para ostentar o posto e entrega ao espectador direção e atuações impecáveis.

Confira outras resenhas de filmes aqui. Siga o Meta Galáxia nas redes sociais e se inscreva no nosso canal!

ASSINATURA

Análise Crítica
Data
Título Original
Green Book: O Guia
Nota do Autor
51star1star1star1star1star