Tudo sobre o drama coreano O Rei de Porcelana (The King’s Affection)

Quando se trata de representação e jogo de sobrevivência, não há nada mais perigoso do que o afeto de um rei.

The King’s Affection

Tudo sobre o drama coreano O Rei de Porcelana (The King’s Affection)

Com uma abundância de K-dramas de alta qualidade disponíveis para os aficionados por romances, pode ser desafiador determinar por onde começar. A Netflix, em particular, oferece uma vasta seleção, mas explorar todos eles pode ser um empreendimento demorado. Independentemente de você ser um novato no mundo dos K-dramas ou alguém familiarizado com as séries mais populares, sempre é ótimo receber novas recomendações. Elas constituem uma excelente maneira de descobrir precisamente o tipo de série que você está buscando, seja em relação ao gênero, atmosfera ou qualidade.

Para os entusiastas de romances ambientados em períodos históricos, repletos de ação e intrigas políticas – bem como para aqueles que apreciaram Mulan –, uma experiência cativante aguarda em O Rei de Porcelana, drama histórico criado por Hee-Jung Han. Se essa descrição parece combinar elementos aparentemente diversos… bem, você não está enganado. No entanto, essa série de drama de 2021 disponível na Netflix consegue harmonizar todos esses componentes de forma magistral, resultando em uma produção envolvente e infinitamente prazerosa.

Sobre o que é O Rei de Porcelana?

The King’s Affection


Passado no cenário do período Joseon, abrangendo do meio do século 16 ao meio do século 17, O Rei de Porcelana (em inglês, The King’s Affection) tem um início paradoxal, centrado na carência de afeto de um monarca. A consorte do príncipe herdeiro dá à luz um filho, garantindo a continuação da linhagem real, porém a alegria da nova mãe é efêmera. Ela também traz ao mundo uma filha. Diante da crença de que gêmeos são portadores de má sorte, o rei ordena que o príncipe herdeiro execute a própria filha, ocultando sua existência, ao alegar que o recém-nascido príncipe era o único bebê nascido no palácio naquele dia.

Em um ato de desespero para salvar a vida da filha, a princesa simula a morte da gêmea indesejada e a envia para longe. Embora a menina não cresça com o conhecimento de sua verdadeira família, ao menos tem a oportunidade de viver. Assim, os gêmeos passam os primeiros anos de suas vidas em separação, trilhando caminhos inteiramente distintos.

Anos mais tarde, a jovem, agora serva da corte, chamada Dam-i, se depara casualmente com o príncipe herdeiro Hwi. A surpresa é mútua ao perceberem a semelhança impressionante entre eles. Sem entender como isso é possível, Hwi solicita a ajuda de Dam-i. Durante o dia, eles trocam de roupas para que Hwi possa escapar do palácio. Através do enigma de suas semelhanças, Dam-i estabelece uma amizade com Hwi, e as coisas começam a melhorar quando ela conhece Ji-un, um jovem amável, e os dois gradualmente se apaixonam.

A tragédia ocorre quando, durante uma das trocas de papéis, Hwi é confundido com Dam-i. Num terrível caso de identidades trocadas, o príncipe é morto, deixando Dam-i presa no papel de Hwi e impossibilitada de retomar sua vida normal. Ela se vê obrigada a se adaptar às artimanhas da política palaciana, aos perigos da realeza e à drástica reviravolta de sua existência. Agora vivendo como Hwi, a “princesa” adquire aliados, embora as ameaças estejam à espreita em cada esquina.

Ao amadurecer, ela aprende a renunciar à própria identidade em prol da sobrevivência, relegando até mesmo a esperança de um romance com Ji-un – até que ele retorna ao palácio anos depois, como seu tutor. Agora, Dam-i (interpretada por Park Eun-bin) se vê compelida a enfrentar não apenas as traiçoeiras manobras políticas da vida na corte como membro da realeza, mas também as armadilhas do amor, ao lutar contra seus sentimentos pelo tutor (Rowoon) e proteger sua verdadeira identidade.

O romance no centro é proibido

O Rei de Porcelana

Dam-i emerge como uma protagonista excepcionalmente multifacetada, conduzindo a narrativa através de sua sagacidade evidente, bem como de seu anseio por liberdade – mesmo sabendo que tal desejo permanecerá inalcançável. Ao longo da série, ela se debate entre manter a fachada gentil, porém distante, do príncipe herdeiro, e se permitir abrir para aqueles ao seu redor que genuinamente se importam com ela. O romance de Dam-i com Ji-un é permeado de proibição, entretanto carrega o calor da familiaridade de namorados de infância, ao menos em seu lado da história. Ji-un não suspeita que a pessoa por quem ele nutre sentimentos intensos e perigosos é, na verdade, a mesma empregada da corte por quem ele tinha afeição anos atrás; ele apenas reconhece que desenvolveu emoções profundas e potencialmente arriscadas pelo príncipe herdeiro.

A batalha de gerações emerge como um fio comum que conecta as histórias de ambos os protagonistas. Enquanto Dam-i trava uma luta interna para confrontar a dura realidade de que seu próprio pai tentou tirar sua vida quando ela nasceu (e ainda precisa coexistir diariamente com seu pai severo e seu avô político influente no palácio), Ji-un enfrenta a complexa jornada de perdoar seu pai manipulador depois de testemunhar sua participação no assassinato de uma empregada da corte (e suspeitar que ele tenha feito o mesmo com Dam-i).

Dam-i e seus leais apoiadores – incluindo figuras como Eunuch Hong (Ko Kyu-pil), a Dama da Corte Kim (Baek Heonju) e o guarda-costas Ga-on (Choi Byung-chan), cujas motivações ocultas geram um enredo próprio – enfrentam uma variedade de antagonistas, abrangendo desde vilões que são condescendentes até os cruéis. A gama de opositores inclui um príncipe arrogante e brutal, o orgulhoso e instável tio de Dam-i, e até mesmo o próprio avô desonesto de Dam-i, Lord Sangheon (Son Jong-hak).

Personagens ainda mais intrigantes entram em cena através de diversos relacionamentos românticos, alguns dos quais ameaçam evoluir para triângulos amorosos envolvendo Dam-i, agora em idade para casar e gerar um herdeiro, ou Ji-un, cujo fascínio despertou a atenção de uma dama da corte. Os personagens centrais de O Rei de Porcelana, juntamente com sua trama envolvente, exercem um magnetismo absoluto, ao ponto de mesmo personagens secundários e membros do elenco de apoio encontrarem momentos de destaque dignos de nota.

É mais do que apenas romance

O Rei de Porcelana

Dentro do contexto da era Joseon, o guarda-roupa de época se entrelaça harmoniosamente com o cenário, proporcionando ao ambiente uma atmosfera autêntica. Entretanto, na tessitura de uma narrativa, a atmosfera é composta por mais do que simplesmente período e lugar. O Rei de Porcelana aprimora a amalgamação de gêneros e tons. Enquanto se configura como um romance histórico repleto de enlaces amorosos, a trama também se insere com maestria na ação, amalgamando camadas de suspense e perigo. A própria noção de identidade dissimulada agrega um elemento premonitório, e “O Rei de Porcelana” eleva a tensão ao multiplicar os riscos em torno da verdadeira identidade de Dam-i.

O artifício de uma mulher se mascarando como homem não é propriamente uma novidade. Diversos K-dramas e outras manifestações midiáticas já abordaram esse tema, incluindo talvez o exemplo mais emblemático, Mulan. Certamente há paralelos, já que Dam-i emprega sua astúcia, se revela como uma lutadora formidável e arrisca a própria vida ao manter sua condição feminina em sigilo. Entretanto, a saga de Dam-i é tecida com intrincadas tramas políticas e, primordialmente, o foco reside no romance. A tonalidade da série pode também virar inesperadamente, deslizando com fluidez do suspense para o brincalhão, e do romântico para o perigoso. E, como é costume, este K-drama pausa e se demora nas cenas de romance. A química romântica entre Dam-i e Ji-un cativa os apreciadores do gênero, e ambos são hábeis na arte de ludibriar seus adversários, algo que atrai sobremaneira os entusiastas de dramas políticos.

Quando abordamos o universo do romance, dos cenários históricos e das identidades camufladas, O Rei de Porcelana incorpora uma diversidade de nuances com perfeição, agravando o perigo ao redor de Dam-i, não apenas em termos de intriga política e sobrevivência, mas também no âmbito do coração. Com um elenco abrangente de personagens intrigantes (muitos dos quais passam por jornadas substanciais, mesmo os secundários), “O Rei de Porcelana” habilmente narra uma trama entrelaçada com saudade, amor, decepção, sobrevivência e autoaceitação, mesmo diante de ameaças inúmeras.

Trailer oficial

Você sabia que o portal Meta Galáxia possui muitas resenhas e análises? As nossas últimas resenhas de séries foram Resenha de Depois da Cabana (2023), minissérie da NetflixResenha da live-action Yu Yu Hakusho (2023), disponível na NetflixGame of Thrones (Série) – Do Fogo ao Gelo (Análise) e X-Men Evolution – Vale a pena Assistir a série clássica? (Análise)!! Confira no Meta Galáxia a Resenha da 1ª temporada de Wandinha, a mais nova série da NetflixWandinha: Conheça a árvore genealógica da Família Addams e a Origem de Wandinha, e porque ela se chama Wednesday? Você também pode conferir Resenha sem spoilers da 1ª temporada de Percy Jackson e os Olimpianos (2023) e Resenha com spoilers da 1ª temporada de Percy Jackson e os Olimpianos (2023). Além disso, você também podem ler a nossa matéria: Critérios – Como fazemos Críticas e Análises.

Caroline Ishida Date
Come to the Dark Side. We have coffee with cookies! ☕

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here