Terror em Silent Hill (Filme) – Exemplo de Adaptação | Análise

44

Há uma série de falhas tentativas em adaptar games para as telonas. Ainda assim, até hoje seguimos com promessas, como o novo filme de Resident Evil, um de Uncharted com Tom Holland e outros. Porém, entre obras falhas como Assassins Creed e Alone In The Dark, temos bons exemplos como o último Mortal Kombat e, principalmente, Terror em Silent Hill.

Uma adaptação que soube ser original

Jogos possuem algo que aproxima o jogador, sendo, na maior parte do tempo, a sua mecânica. É um desafio e tanto, portanto, trazer a mesma sensação em quem assiste a mesma história. Silent Hill, todavia, possui algo que o torna tão famoso: a atmosfera! Assim sendo, é algo muito mais alcançável do que passar a sensação de perigo de um Survival Horror ou de diversão de um Beat ‘em Up. Em Terror em Silent Hill, o diretor Christophe Gans é capaz de utilizar quase todos os elementos responsáveis pela criação da atmosfera vista nos jogos.

Ao mesmo tempo, há uma necessidade de apresentar um universo para um novo público. Eis o desafio que costuma estragar as adaptações, pois, normalmente, em nome do alcance de público, é dada prioridade ao publico novo, criando uma adaptação mais ‘popular’ do que o original seria. Não é o que ocorre aqui, onde é encontrado um bom equilíbrio entre as duas frentes. Há cenas que remetem diretamente a cenas dos jogos, assim como sua premissa, com alguém atrás de sua filha passando por lugares famosos dos jogos, como o hospital, a Escola, etc.

O que mais surpreende desta adaptação, é que seria fácil não se comprometer com a história dos jogos. Silent Hill é uma cidade que permite se contar uma grande quantidade de histórias diferentes, como vemos em Silent Hill 2. Assim, havia – e ainda há – possibilidade de criar uma espécie de antologia, com diferentes filmes mostrando diferentes pessoas passando pela cidade. Tudo isso, sem a obrigação de ligações ou abordagem da Ordem e toda sua mitologia.

Em conclusão

Terror em Silent Hill não é perfeito – o filme ficou bem datado em efeitos especiais, por exemplo. Porém, nota-se o esforço em agradar os fãs naquilo que é possível. É um filme que será melhor absorvido por quem jogou os games, mas divertido e misterioso o suficiente para quem é inciante na franquia. Aliás, seu grande defeito é a longa duração, inchada pela presença do personagem de Sean Bean. Enfim, uma ótima adaptação e, isoladamente, um bom filme.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here