Resident Evil Village: Um ótimo retromeço!

139

Resident Evil Village, finalmente chegamos ao 8º episódio da franquia que vem se reinventando nos últimos anos. E por mais que alguns não gostem, ou não tenham acompanhado a evolução da série, podemos afirmar que a Capcom tem se esforçado para amarrar nós e pontas das séries anteriores.

Claro, manter um mundo tão vasto e rico quanto o de Resident Evil, pode (e vai) gerar alguns ruídos, mas é sempre um prazer ver referencias e capítulos em aberto por anos, finalmente se concluindo. Resident Evil Village faz isso muito bem, é como se tivessem adaptado a Lore para se encaixar, e de certa forma, deu certo!

Nesses 25 anos de Resident Evil, a Franquia lançou 15 Games da linha principal e mais 12 spin offs. Dentre os spin offs, algumas pérolas como Resident Evil Outbreak/Outbreak #File 2 e a série Chronicles que “reescreveram” a história dos 4 primeiros jogos da série.

Mas Resident Evil não se resume a games, há livros, filmes, animações, mangás entre outros diversos produtos, mas que ficarão para um próximo review! Agora vem comigo e vamos ver o que Resident Evil Village tem de bom e sem spoilers.

Ambientação

3 Anos e 8 meses se passaram desde os Eventos em Lousiana, Mia e Ethan Winters se mudaram para Europa a mando da BSAA para acobertar suas participações nos eventos ocorrido na mansão dos Bakers. Que inclusive foi noticiado como um grande vazamento de gás dos pântanos que tomou a vida dos Bakers, exceto Zoe e seu Tio Joe.

Nesse meio tempo Mia deu a luz a Rosemary Winters e Ethan fez um treinamento militar junto a BSAA prevendo uma possível situação onde tenha de proteger sua família. E esse dia chegou mais rápido que o previsto.

Em um dia comum para os Winters, Mia faz o jantar, Ethan põe Rose para dormir, e ao voltar para a cozinha com Mia, Ethan a questiona sobre Lousiana, que ela faz questão de fingir que não aconteceu. Eles brigam e no meio da discussão Mia é atingida por uma bala no ombro.

Sem tempo de entender a situação, Mia é alvejada por mais alguns projéteis, Ethan por instinto se joga ao chão. Em poucos segundos a casa dos Winters é tomada pelo Hound Wolf Squad, da BSAA, junto, seu líder Chris Redfield, que sem muita frivolidade, finaliza Mia atirando em sua testa.

Assegura que Rosemary está bem e sob protestos de Ethan, que em é apagado, somos colocado em um automóvel e claro um acidente no caminho nos coloca dentro de uma Vila.

Resident Evil Village e as 4 famílias

A vila a qual chegamos é bastante rústica, e nem nome tem, temos de investigar muito para entender o que acontece nesse local. Mas logo descobrimos que existia algo com um culto, liderado pela Mãe Miranda, e mais 4 pessoas influentes de uma das 4 famílias que vivem ao arredores da vila.

Alcina Dimitrescu e seu castelo imponente, onde vice com suas 3 filhas Bela, Cassandra e Daniela. Donna Beneviento uma marionetista que está sempre na presença de sua boneca Angie. Salvatore Moreau uma monstruosidade chorosa e por fim Karl Heisenberg que apresenta poderes magnéticos.

Estes 4 terão grande importância no desenrolar da história e inclusive no passado da série, mas não vou spoilear. Bom, com estes conhecimentos, Ethan passa a “caçar” cada um dos grandes lordes afim de recuperar sua filha Rose novamente.

Mecânicas

O jogo se mantém fiel a mecânica criada em RE7: Biohazard, câmera em primeira pessoa, o clima e a tensão permanecem, e o terror tá presente, mas como anunciado antecipadamente, o jogo possui menos jumpscares.

E isso não é ruim não, muito pelo contrário, pois a todo momento você está tenso e fica na expectativa de que algo aconteça, aquele ambiente de terror gostoso!

Resident Evil Village evoca muitas mecânicas já conhecidas, como o inventário do RE4, sim aquela mala está de volta. E para dar mais dinamicidade e fluidez ao jogo, chaves e itens importantes não ocupam espaço, sendo assim, nada de baús para guardar coisas.

O jogo como já sabemos é em primeira pessoa assim como foi RE7 e isso o deixa extremamente imersivo, a atmosfera remete muito a filmes de terror como Bruxa de Blair, Atividade Paranormal e filmes do estilo “cam footage”.

Para as armas temos de volta a mecânica de upgrades, são 2 tipos, os upgrades da arma mesmo como poder de fogo, cadencia de tiro, recarregamento e capacidade. Além desses que “compramos” com Duke nosso novo vendedor, temos também os Upgrades mecânicos, como miras, expansão de capacidade entre outras melhorias.

Para o segundo caso é necessário encontrar ou comprar as partes extras, e cada arma possui a sua parte equipável específica.

Ainda somos capazes de fazer cartuchos, bombas e itens de cura, o que adianta bastante nosso lado, pois no jogo por vezes a munição será escassa.

Conclusão: Resident Evil Village

Como dito no titulo, achei o título um ótimo retromeço a série, ela evoca diversos sentimentos de “já estive nesse lugar antes” ou ” ja passei por isso antes” que nos deixa totalmente nostalgicos.

Acho que é importante parar e lembrar novamente que Resident Evil nunca foi sobre zumbis, sempre foi sobre armas bioquimicas, os zumbis que enrentamos nos 3 primeiros cápitulos da saga, foram apenas um efeito colateral.

Pois o objetivo da Umbrella sempre foi e sempre será o aperfeiçoamento humano e a utilização de “seres” como armas biológicas para guerra. Então ponha isso na cabeça ao jogar Resident Evil Village e sua experiencia será muito, mas muito agradável!

Apesar de até ser longo eu ainda senti falta de mais informações no jogo, mas no geral ele não deixa a desejar não e o fator replay com o jogo dos mercenários é um fator impar para o sucesso do game.

Se o RE:Verse não estivesse para sair eu falaria algo sobre faltar um multiplayer, mas vamos ver o que será desse game que sai logo menos. No mais compre e se divirta com Resident Evil Village que garanto que nãos e arrependerá!

Para mais noticias do mundo pop, Animes e games, navegue em Meta Galáxia!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here