A Orfã – Resenha

416

Ano: 2009
Título Original: Orphan
Dirigido por: Jaume Collet Serra
Avaliação: ★★★★☆ (Ótimo)

Em A Orfã, John e Kate são casados e possuem dois filhos. O passado deles, principalmente o de Kate é atormentado pela perda de uma filha, ainda na barriga, o que a deixa de uma maneira bastante depressiva e abalada. Na tentativa de superar isso, resolvem adotar uma criança, Esther, uma jovem prodígio, um pouco retraída e que aparentemente só quer afeto e uma família. Porém, estranhos acontecimentos começam a se desenrolar ao redor da garota e o casal descobrirá que fez uma péssima escolha.

A Orfã é um filme que simplesmente não para de surpreender, do início ao fim. É sensacional! Ele lembra um pouco o filme “Anjo Malvado”, mas consegue se distinguir bem pelo seu próprio roteiro e estilo que te prendem . O longa é uma verdadeira ladeira de emoções, que só vai crescendo e crescendo.

É muito interessante como o filme consegue mexer muito com as emoções. Primeiro apresentando todo o drama do casal (que não consegue se relacionar mais devido a depressão da esposa), depois a alegria e o bem estar após a adoção (com a sensação de que agora estão em uma família perfeita), para após isso começar o verdadeiro terror e suspense, pois os atos de Esther são verdadeiramente arrepiantes.

De um empurrão de uma colega em um brinquedo, até esmagar um pobre pombo no gelo, você logo de cara percebe que o filme não está para brincadeira (se prepare para perder o fôlego em diversas cenas). Esther é aquele tipo de personagem que brinca e manipula os sentimentos e pensamentos dos demais personagens e chega em determinado momento que você não aguenta mais ela se safar e se dar tão bem (é serio!).

A forma como todos os acontecimentos se sucedem e a família vai se desfazendo (com Kate sendo arrasada a cada minuto) culmina com um final extraordinário. De todas as explicações possíveis para Esther, duvido que você acerte o que ela realmente é e deseja.

Com um suspense de tirar o fôlego e de prender sua respiração, A Orfã é um filme que consegue te prender do início ao fim.

ANÁLISE CRÍTICA - NOTA
A Orfã
Trabalha com contabilidade a mais de 10 anos. No tempo livre, é escritor e publicou as obras Todas as Estrelas e a Última Estação (junto com seu primo Diego Betioli). Gosta muito de escrever e acredita que a arte pode melhorar o mundo e a vida das pessoas. É também um grande fã de Basket, principalmente da NBA e tem como hobby jogar esse esporte junto com os amigos. Fanático também pelos X-Men, não perde a oportunidade de sempre ter uma HQ dos heróis mutantes na mão. Contribui no Meta Galáxia nos assuntos Filmes e Quadrinhos, principalmente.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here