As 5 coisas que não são fatos em Elvis de Baz Luhrmann

Elvis - musical de Baz Luhrmann

As 5 coisas que não são fatos em Elvis de Baz Luhrmann

Elvis de Baz Luhrmann entra facilmente para a lista de obras que merecem o espetáculo das grandes telas. Fora do circuito Marvel, é talvez o principal lançamento de cinema de 2022 até aqui, ao lado de Top Gun Maverick – embora tenha tido menor publicidade que estes citados. Este é o filme biográfico feito sobre a vida e a carreira de Elvis Presley. Estrelado por Austin Butler como Presley e Tom Hanks como o Coronel Tom Parker, o filme é contado na versão de Parker. Os eventos vão desde a descoberta de Presley quando adolescente até a morte de ambos mais tarde na vida. Contudo, você sabia que há 5 coisas que não são fatos em Elvis de Baz Luhrmann?

Afinal de contas, compilou quatro décadas de vida em um tempo de execução de 2 horas e 39 minutos. Dessa forma, muitos detalhes da carreira de Presley foram reunidos, mas junto de momentos ficcionais inteiramente por uma questão de entretenimento. Ainda assim, Elvis de Baz Luhrmann também trabalha nuances importantes que enriquecem o conhecimento sobre a figura de Elvis e muito do que a compôs desde o início da carreira. A forte influência do R&B talvez seja a principal delas.


Presley e o coronel Tom Parker não fizeram um acordo em uma roda gigante

Elvis de Baz Luhrmann
Elvis de Baz Luhrmann (Imagem: Warner Bros)

Em primeiro lugar, em nossa lista de coisas que não são fatos em Elvis de Baz Luhrmann. No filme, o Coronel Tom Parker descobre o talento e a capacidade de Presley de deixar as mulheres todas abaladas. Após esse momento, ele persegue o artista em um carnaval. Os dois fazem um passeio em uma roda gigante, onde Parker garante a Presley seus talentos e se oferece para representá-lo.

Ok, isso realmente criou uma cena emocionante no filme. Contudo, a história real de Parker se tornando o empresário de Presley foi um processo longo e demorado. Enquanto Bob Neal permaneceu o empresário de Presley durante a turnê Hank Snow, foi em 1955 que Parker se tornou o “conselheiro especial” de Presley e não se tornou seu empresário oficial até um ano depois.

Elvis Presley não cantou “Trouble” no evento de 4 de julho

Elvis de Baz Luhrmann
Elvis de Baz Luhrmann (Imagem: Warner Bros)

O filme conta a história de como o giro de Elvis Presley prejudicou sua carreira, indo de balançar os quadris em shows a usar relutantemente um smoking e tocar “Hound Dog” para um cachorro ao vivo na televisão. A situação do “novo Elvis” borbulhou em Presley até que ele finalmente decidiu arriscar tudo em um evento de 4 de julho e dar tudo de si enquanto cantava “Trouble” e foi arrastado pela polícia.

Enquanto Presley pode ter girado no palco, ele nunca foi levado pela polícia e certamente não cantou a música “Trouble”. Essa música ainda estava para ser escrita. Entretanto, Presley fez um set de 30 minutos que incluiu “Hound Dog” e “Heartbreak Hotel”, deixando o público em frenesi.

Presley não era o ator mais bem pago de Hollywood nos anos 60

Elvis Presley
Elvis de Baz Luhrmann (Imagem: Paramount Pictures)

Durante o filme, Parker afirma que o cantor também se tornou o ator mais bem pago de Hollywood após prometer à estrela que o ajudaria a alcançá-lo. Os espectadores só veem um vislumbre de Presley filmando seus filmes memoráveis durante uma montagem muito mais dramática. Entretanto, de uma forma que fica parecendo que ele realmente ganhava dinheiro.

Na realidade, Presley estaria ganhando US $ 1 milhão por filme em 1965, conforme o Los Angeles Times. Só que os outros atores notáveis ​​como Elizabeth Taylor e Marlon Brando estavam fazendo o mesmo ou muito mais para seus filmes. Dessa forma, esta parte em Elvis foi como mais um dos exageros de Parker.

Elvis Presley não traiu Parker durante a gravação especial de Natal

As 5 coisas que não são fatos em Elvis de Baz Luhrmann

A maior parte do filme foi assistir enquanto Presley reavaliava sua carreira durante a gravação de seu especial de Natal de 1968. Ele mergulhou em uma espécie de crise existencial para Presley, que terminou com ele tocando suas músicas icônicas em vez de bater em um suéter de Natal e cantar “Here Comes Santa Claus”, como insistiu Parker.

Embora Presley tenha cantado seus sucessos durante seu especial de Natal, não foi em rebelião contra Parker. De acordo com Peter Guralnick, autor de vários livros de Elvis Presley, seu empresário sabia o tempo todo que Presley estaria tocando suas próprias músicas porque o cantor não gostava da ideia de fazer um especial de Natal real.

O assassinato de Robert F. Kennedy realmente foi durante a gravação especial de Natal?

Elvis de Baz Luhrmann

Um momento decisivo no filme foi quando surgiu a notícia do assassinato de Robert F. Kennedy. Todos que trabalhavam no especial de Natal, incluindo o astro Elvis Presley, se reuniram em volta da televisão e assistiram em choque o que aconteceu e o que isso significou para seu país.

O filme retrata isso como a razão pela qual Presley se rebelou contra o especial de Natal. Contudo, o assassinato de Kennedy aconteceu em 6 de junho de 1968, algumas semanas antes da gravação do especial de 27 a 30 de junho de 1968. Então, já dá para perceber que as coisas não funcionaram bem assim, não é?

Compensa assistir Elvis de Baz Luhrmann?

A cinebiografia ilustra, sob a ótica do obsessivo e controverso empresário Tom Parker, a ascensão e queda de uma das maiores estrelas da história! Ok, mas será que realmente compensa assistir? Recentemente, nós publicamos a resenha do filme em nosso portal. Confira: Elvis de Baz Luhrmann – Resenha

Goiana. Arqueóloga, focada em Educação Patrimonial. Redatora. Escritora. Apaixonada pela Cultura Brasileira e pela Cultura Geek. Cosplayer nas horas vagas gótica e gamer. Aqui no Meta Galáxia, colaboro com matérias sobre o universo geek: notícias, entrevistas com cosplayers, listas de filmes e animes, análises de animes e jogos, curiosidades e muito mais!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here