Convenção das Bruxas (2020) – Resenha

46
Ano: 2020
Título Original: The Witches
Dirigido por: Robert Zemeckis
Avaliação: ★★☆☆☆ (Regular)

Em Convenção das Bruxas, um jovem vai morar com a avó, após os pais terem falecido em um acidente de carro. Lutando para superar a perda e tomar gosto pela vida, o jovem é surpreendido por uma bruxa, quando fazia compras em um mercado. Assustados, vó, neto e o rato de estimação resolvem sair da cidade por uns dias para ficar em um luxuoso hotel. Lá, são surpreendidos por uma Convenção de Bruxas que têm como plano principal o extermínio de todas as crianças.

Contando com um elenco de peso (Anne Hathaway e Octavia Spencer), a refilmagem de Convenção das Bruxas traz, através de uma narrativa simples e objetiva, toda uma trama de aventura, superação e boas lições de vida, com pitadas de um leve terror infantil.

É de se parabenizar as atuações de Anne e Octavia, que, antagonizam-se em boa parte do filme com suas personagens e são as responsáveis pelas melhores partes do filme. Anne, sendo a clássica bruxa má e vilã, enquanto que Octavia é aquele poço de bondade, serenidade, alegria e sabedoria.

O ponto alto do filme é com certeza a revelação das bruxas em sua forma natural. A maneira como as mãos, os pés, a boca e toda a “mitologia” das bruxas são apresentadas realmente convence e chega até a ultrapassar um pouco o sentido de terror infantil.

O filme cresce bastante em aventura após a transformação das crianças em ratos, quando uma sequencia de aventuras, fugas corridas e planos são mostrados um após o outro, tornando o longa bastante divertido.

O filme ainda passa algumas lições sobre conhecer a si mesmo, não desanimar e outros pontos sobre a moral e a esperança bastante interessantes.

O grande problema do filme é que ele não tem um grande momento além da revelação das bruxas.

Toda a aventura é legal, mas por vezes, é um pouco repetitiva, e a forma como o menino, personagem principal cria planos e ideias “do nada”, acaba não convencendo muito.

Por fim, Convenção das Bruxas é um filme divertido, mas não inesquecível. Não há de se tornar um clássico, mas consegue entreter. 

ANÁLISE CRÍTICA - NOTA
Convenção das Bruxas
Trabalha com contabilidade a mais de 10 anos. No tempo livre, é escritor e publicou as obras Todas as Estrelas e a Última Estação (junto com seu primo Diego Betioli). Gosta muito de escrever e acredita que a arte pode melhorar o mundo e a vida das pessoas. É também um grande fã de Basket, principalmente da NBA e tem como hobby jogar esse esporte junto com os amigos. Fanático também pelos X-Men, não perde a oportunidade de sempre ter uma HQ dos heróis mutantes na mão. Contribui no Meta Galáxia nos assuntos Filmes e Quadrinhos, principalmente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here