One Piece 1055 – O Haki que faz tremer Almirante | Análise

Quando o Almirante Aramaki apareceu pela primeira vez, todos ficaram em êxtase sobre o que aconteceria. Afinal, era a primeira oportunidade de vermos o bando de Luffy fortalecido enfrentando a Marinha, após tantas surras, fosse pra Smoker lá no início, Aokiji, ou até Akainu. Todavia, nossas expectativas foram um pouco frustradas, mas com uma boa justificativa. Entretanto, One Piece 1055 se livra do problema de uma forma que sacrifica um personagem com potencial e é disso que vamos falar agora.

Para ler a análise dos outros capítulos, clique aqui!


Teor de Merchan

Não vou falar de nenhuma parte específica do manga agora. O mais importante de tudo para mim, foi o tom de campanha de propaganda para o novo filme de One Piece que vemos aqui. Tudo recentemente envolve mostrar Shanks e engrandecê-lo. De certa forma, Oda até que tá conseguindo fazer isso de uma forma menos incômoda, mas não consegue disfarçar com essa perfeição toda. O que esta capítulo, assim como o anterior e muito provavelmente o próximo me dizem é que iremos ficar em Wano até o filme lançar. É uma clara forma de manter o nome do Ruivo no hype e ajudar na bilheteria do filme.

Muitos se perguntam o que Shanks fazia perto de Wano e eu respondo: nada. Ele só tá lá por causa do filme. Estes capítulos recentes, aliás, evoluem muito pouco a história, de uma forma que parece que Oda está aproveitando mais do que o hiato para preparar a saga final, mas também os capítulos finais de Wano, em que pouco ocorre. Há justificativas plausíveis para a presença do personagem, claro. Podemos concluir, por exemplo, que ele estava lá pra garantir a sobrevivência de Luffy em caso de derrota para Kaidou. Ou mesmo para pegar a fruta se ele morresse. Mas, às vezes, as coisas são mais simples do que parecem.

One Piece 1055 – Nova Era

Abandonando um pouco o teor crítico, vamos falar de One Piece 1055 por si só. O capítulo se divide em duas visões: a luta contra Aramaki e a revelação de Wano. Sobre a arma ancestral, é legal a justificava que Oda utiliza para a arma estar “desaparecida”. Ainda que, se Jack encontrou a pedra, poderia ter farejado Pluton, não? Ou ele encontrou a Pedra somente explorando? Isso não ficou bem claro. Pra quem não lembra, lá em Water Seven, Franky já deixa bem claro que a Arma Ancestral é um barco. Então, não há muito segredo sobre sua função.

Ainda, Oda dá, finalmente, a explicação do que seria exatamente “abrir as fronteiras”. As águas que acumularam entre os muros servem de proteção ao país. Pela explicação dada não parece ter sido de propósito, mas pode ser o caso dos muros terem sido criados com a exata intenção de acumular água e isolar o que é conhecido hoje como País de Wano e afundar a Arma Pluton.

O Haki que faz tremer Almirante

One Piece 1054 abordou o início da luta contra Aramaki e One Piece 1055 dá uma conclusão a ela. Apesar de não ter chegado a ser uma disputa até a morte, serviu para Oda mostrar algumas coisas. O primeiro e principal de tudo foi apresentar o Almirante. Apesar de, como eu disse na análise do capítulo anterior, não ter gostado da personalidade clichê do personagem, Oda foi rápido e direto em apresentá-lo. Soou artificial e forçada sua fala concordando com os Dragões Celestiais, mas personalidade é personalidade.

Mas não só pra isso serviu esta luta. Como é dito pelo Almirante neste capítulo, a presença de Kaidou, obviamente, mantinha muita gente longe de Wano. Agora que o Yonkou caiu, a tendência é que o país sofra tentativas de invasão e caberá a quem protegê-lo? Para isso Momonosuke tenta mostrar força contra Ryou. Obviamente, ele não teria força para derrotá-lo, mas seu Sopro de Fogo, devido a natureza dos poderes do marinheiro, foi eficiente o suficiente para atrasá-lo. É claro que aqui tudo é conveniente, pois se fosse Fujitora, por exemplo, dificilmente Momo ou qualquer outro conseguiria fazer algo. Mas o roteiro ta ai pra isso.

A Interferência de Shanks

Apesar de ter evitado pedir ajuda para a Aliança, Momonosuke acabou ajudado de qualquer maneira. Shanks, de longe, intimidou o Almirante e mostrou sua presença. Obviamente, Aramaki não enfrentaria um bando Yonkou sozinho, certo? Não necessariamente, afinal ele foi para Wano na intenção de pegar Luffy. Se pretendia enfrentar um Yonkou (e mais Law/Kid), será que ele só fugiu de Shanks pelo fato dele estar com seu bando ou foi pela força do personagem sozinho? Acredito, sinceramente, na segunda alternativa. Não que seja um demérito, afinal o personagem já havia admitido que não estaria lá se Kaidou estivesse presente. O que mostra que não é só o título de Yonkou que conta, mas também a força dele. Luffy é forte, mas ainda é um novato subestimado.

Em Conclusão

Aramaki, recém apresentado, como já podia ser visto no capítulo anterior, foi feito de sacrificio. Oda utilizou o personagem para justificar a necessidade do país aprender a se defender sozinho. Isso explicará, com certeza, um rápido fortalecimento de seus personagens. Mas não só isso, pareceu também deixar claro que Yamato irá realmente com o bando. O Almirante, ainda, se mostrou um problema para espadas, assim como era Orochi, pois a cada corte, cresce outro galho. Uma apresentação da problemática que Zoro terá ao enfrentá-lo.

Uma pena que Oda não conseguiu manter o foco em sua história e acabou dando a brecha de se tratar de um grande merchan para o filme. Naturalmente foi um pedido da editora e não algo que ele faria de propósito. Apesar disso, a história não está sendo afetada com tanta força. Serviu, pelo menos, para deixar algo bem claro: Yonkous são mais fortes que Almirantes. Ou será que não? Farei um post sobre a escala de força do manga em breve!

Quem quiser saber quem sou, olha para o céu azul...Amante de infinitas coisas, desde animes, games, filmes, séries, música, futebol, literatura...Toda e qualquer uma dessas artes, mas, principalmente, a escrita, que torna minhas palavras imortais igual ao meu tricolor!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here