Heartstopper (Vol. 1 e 2) – Resenha

Um dos romances teens mais aclamados dos últimos tempo chegou ao Brasil. Conheça a história de Nick e Charlie em Heartstopper

102
heartstopper vol 1

Uma das mais aclamadas HQs teen dos últimos tempos chegou ao Brasil, pelas mãos da Editora Seguinte – selo jovem da Companhia das Letras -, que tem apostado em trabalho de jovens e talentosos ilustradores que também pregam pela diversidade. Recebemos os dois primeiros volumes de Heartstopper e trazemos aqui a resenha de ambos!

Heartstopper é uma série graphic novel de temática jovem LGBTQI+ criada por Alice Oseman (Solitaire, Loveless) lançada originalmente no Reino Unido e traduzida mundo afora – ganhando enfim, agora, sua versão brasileira em um trabalho primoroso da Seguinte. A obra, já um sucesso global, apresenta o romance de dois garotos, Nick e Charlie, e já conta com uma adaptação em série confirmada pela Netflix.

Confira a resenha de Arlindo, da Editora Seguinte

Veja também a resenha de Mordida, da Editora Seguinte

SINOPSE DE HEARTSTOPPER

Charlie é um adolescente tímido e franzino do primeiro ano do ensino médio, mas muito amigável e notoriamente bastante inteligente. E assumidamente gay. Desde que o fez, lidou com um bullying extremo, especialmente quando ainda estava no fundamental. Possui poucos mas fiéis amigos. E vive um caso com Ben, um colega que não tem coragem de assumi-lo e, não obstante, ainda possui uma namorada.

Nick é um estudante do segundo ano, de porte atlético e líder do time de rúgbi, e que carrega todo o estereótipo de “hétero top”, cercado por uma maioria de amigos também héteros que passam a mesma impressão. Ele, entretanto, se mostra um sujeito bastante afável e aplicado nos estudos.

Charlie e Nick acabam se tornando colegas quando formam dupla para uma aula de estudos interdisciplinar, que une estudantes de anos diferentes. Charlie, de cara, fica bastante receoso diante do grandalhão que se apresenta como seu parceiro de estudo, mas surpreende-se com sua cordialidade e a ausência de tratamento preconceituoso com o qual está tão acostumado.

heartstopper

A amizade entre os dois cresce e se intensifica, de modo que, gradativamente, passam a conviver mais e mais tempo juntos. Charlie integra o time de rúgbi, e Nick começa a andar com os amigos de Charlie. Os garotos logo descobrem que possuem muito mais em comum do que poderiam imaginar e que mal conseguem estar separados.

A amizade e seus desdobramentos, entretanto, chegam ao ponto em que cada um deles se encontra no limite de como a relação pode afetar o que sentem um pelo outro. Charlie gosta de Nick, mas entende que ele é hétero e que é um romance impossível; Nick, por sua vez, nunca se viu como alguém não-hétero e passa a questionar sua sexualidade. Conseguirão lidar com suas diferenças e temores?

O DESAFIO DA ACEITAÇÃO

heartstopper vol 2

Embora uma primeira olhada para Heartstopper possa passar a impressão de uma fanfic cheia de clichês (e alguns deles estão de fato presentes, como um protagonista apaixonado pelo sujeito mais forte e capitão de um time esportivo), a obra se apresenta consistente e com uma narrativa frequente e repleta de apontamentos – explícitos ou não.

A graphic tem como tema central o romance entre os dois garotos, mas para que avance sobre isto, trabalha muito bem todos os desafios que há em torno da existência do casal. Os dois primeiros volumes lidam exatamente com a aceitação: primeiro de si mesmo e diante dos outros.

heartstopper

O volume 1 apresenta ambos protagonista e desenvolve a relação entre eles, mas possui maior foco em Charlie. Como já dito, ele é um adolescente gay assumido, e isso implica ser recebido com desconfiança em ambientes mais habituados a héteros; também acaba sendo alvo de alguém como Ben, que vê nele a possibilidade de ficar com um homem, mas sem assumi-lo. O sofrimento de Charlie, que se sente ilhado como um garoto gay e agora apaixonando-se por um amigo hétero, é o plot central aqui.

Sem entrar em muitos spoilers, o volume 2 já possui uma perspectiva mais focada em Nick, que após os eventos do primeiro encadernado, passa a questionar sua heterossexualidade – que considerava até então bem definida. O limiar de seus sentimentos por Charlie é tênue e uma possível saída do armário (armário que, inclusive, ele não sabe até então se de fato existe), coloca os dois personagens em prismas opostos, mas cujos sentimentos devem prevalecer para, quem sabe, encontrarem a verdadeira felicidade juntos.

heartstopper vol 1

Exemplificando os dilemas dos dois personagens, Heartstopper traz um drama crível e mesmo tocante (e consequentemente revoltante em determinadas partes dadas situações horríveis de preconceito), mas também traz muito amor – puro como ele é e, mesmo diante de tantos desafios, vivido e experimentado como deveria ser sempre, por qualquer um.

HEARTSTOPPER É TEEN, É REPRESENTATIVO, E É UMA LEITURA VICIANTE!

Heartstopper é uma ótima obra referencial por diversas características que, de modo algum, são conflitantes. É um romance teen, sim, e isso de nenhum modo o torna menos atrativo para públicos mais velhos, porque possui um roteiro incrível, personagens carismáticos e uma mensagem de compreensão universal.

É uma obra de representatividade LGBTQI+, mas não se prende tão somente a isso. É o tema central, uma vez que seus personagens orbitam diante da descoberta da sexualidade e da luta contra o preconceito que oprime, mas é uma HQ que explora o cotidiano de seus personagens afundo, dando diversas camadas aos protagonistas e os coadjuvantes que o cercam.

E é, sobretudo, uma HQ viciante. A arte de Alice Oseman é incrivelmente bonita e fluída e seu texto, ágil e carismático. Seus traços, que carregam um quê de inspiração em mangás, apresentam lindos quadros e um incrível poder de imprimir as emoções de seus personagens nas suas expressões faciais e corporais, especialmente nos olhares. Há muitos quadros silenciosos que dizem um bocado sobre o sentimentos de Nick e Charlie sem que uma única palavra seja dita.

heartstopper vol 2

Aguardamos ansiosos os próximos volumes de Heartstopper, que darão continuidade a estória de Nick e Charlie. Se tiver metade do carisma da graphic novel, a série da Netflix também será sucesso na certa! Heartstopper já pode ser adquirido nas principais livrarias do país.

Confira outras resenhas de HQs aqui. Siga o Meta Galáxia nas redes sociais!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here