Cidade Invisível (Netflix) – Resenha

Uma mistura de mistério, folclore e suspense policial é o que Cidade Invisível nos apresenta.

84
Título Original: Cidade Invisível
Ano: 2021
Criação: Carlos Saldanha | Nº de Episódios: 07

No início de fevereiro uma nova produção brasileira chegou na plataforma da Netflix. Cidade Invisível veio para repaginar e dar ainda mais luz, tanto para as produções brasileiras, quanto para a própria cultura local. A série mistura um tema policial com os contos folclóricos que temos no Brasil. A obra é estrelada por artistas como: Marco Pigossi, Alessandra Negrini e Fábio Lago.

RESUMO

Com o passar dos anos, as cidades foram ficando ainda maiores, tomando ainda mais os espaços das florestas em todo país. É então que com todos esses avanços, as entidades (como são chamados os personagens do folclore na série) passam a viver ainda mais presentes no meio dos humanos. Agora praticamente imperceptíveis, de forma “invisível”.

A ambição dos humanos passa aumentar ainda mais, é aí que a trama se desenrola. Alguns acidentes estranhos passam a acontecer na floresta, deixando-a degradada, ao mesmo tempo em que alguém passa a ameaçar a existência dessas entidades. Eric se envolve nestes casos inicialmente tentando saber o que ocasionou a morte de sua esposa.

TRAMA

A forma como Cidade Invisível mistura do universo folclórico se misturou ao mundo moderno ficou muito interessante. A série deu uma origem muito mais humanizada para as entidades. A maioria deles eram humanos antes de virarem o que são hoje. Os locais e o modo como cada um se adaptou e onde ficaram deixam a trama muito mais comprável e crível para o decorrer da série. O grande mistério por trás de tudo o que está acontecendo também é um ponto positivo. A todo momento há o questionamento sobre, quem será, quem é capaz de ir contra todos, etc.

Juntando todos esses pontos com o universo policial envolvendo casos a serem solucionados, misturado a um suspense recorrente traz mais adrenalina e emoção para quem assiste. Em alguns momentos Cidade Invisível faz lembrar as séries Grimm e Lúcifer, mas obviamente com uma roupagem e modo muito mais brasileiro de lidar com as coisas.

PERSONAGENS

Quanto aos personagens, o único problema é que foram poucos apresentados em Cidade Invisível frente ao vasto universo folclórico que temos. Tirando este fator, todos os personagens são muito bem inseridos e trabalhados. Um aspecto interessante como já citamos é são as suas origens. Outra coisa e uma abordagem mais humana para eles, seja o sotaque mais carregado (com o Saci por exemplo, tendo relação com sua origem), ou então a forma mais natural e com a sua versão de bruxa para a Cuca. A sua imagem com aspecto réptil (da forma de Monteiro Lobato) foi deixada de lado para ser apresentado muito mais a sua origem de bruxa/papão.

A caracterização e interpretação do Curupira com todos os trejeitos e sons emitidos também deixou um ar muito de mistério e suspense para a obra de Cidade Invisível como um todo. Personagens pouco menos conhecidos para quem só tem a base no Sítio do Pica-Pau Amarelo também são apresentados, como por exemplo o Tutu. Assim como a Cuca, ele tem a sua origem em ser um papão (monstro imaginário com que se assusta as crianças). Há também a introdução do corpo seco, um termo utilizado dentro do folclore para falar sobre pessoas que fizeram muito mal enquanto viviam.

TRILHA, FOTOGRAFIA E EFEITOS VISUAIS

Em Cidade Invisível, o que deixa ainda mais eletrizante, cheio de adrenalina e com o teor o suficiente para o suspense é a trilha. Para além de todo o ar de mistério que a trilha nas horas de suspense evidencia (misturado com algumas notas de sanfona), há um grande trabalho de mostrar pontos da cultura brasileira na música também. Dentre estes estilos estão o forró, o funk, a bossa nova, canto de lavadeiras, o samba e muita mpb. Confira aqui algumas músicas presentes na série.

O que surpreendeu positivamente dentro da série Cidade Invisível também foram os cenários bem reais e os efeitos visuais presentes. Os cenários mostram tanto cidade grande quanto na vila uma coisa mais palpável e fácil de entender e aceitar. As ocupações, o bar, a pequena vila, etc. Os efeitos visuais foram colocados de um modo muito fluido, nada exagerado e muito bem feitos. Os redemoinhos do saci, as borboletas da Cuca (principalmente as transformações), a cauda da Iara e a caracterização do Curupira que ficou algo fantástico.

CONSIDERAÇÕES

Cidade Invisível como um todo tem um papel muito mais além de entreter. Neste ponto já foi muito positivo. Outros fatores para que se torne algo muito positivo foram a maneira como eles abordaram o folclore e cultura brasileira e com isso apresentar e popularizar isso para o resto do mundo. Aqui também a obra serve para mostrar para quem não conhece ou não tem interesse, o quão rico de narrativas temos nesse imenso país. A forma como a série terminou e pelo que sabemos de o quantos outros personagens podem ser abordados cria uma grande expectativa para uma segunda temporada.

Siga o Meta nas redes sociais e clique aqui para mais resenhas sobre séries.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here