Maniac (Netflix) – Resenha

476

Maniac (Netflix) – Resenha

Maniac (Netflix) Resenha – Uma crítica quase sem spoilers sobre um Cyberpunk excessivo e apaixonante!

maniac netflix resenha

Maniac é a mais nova ficção cientifica produzida pela Netflix, criada por Patrick Somerville, dirigida por Cary Joji Fukunaga (It, a coisa e The Alienist), que estrela Emma Stone (La La Land e Histórias Cruzadas) e Jonah Hill (O Lobo de Wall Street e Click) como principais personagens do elenco.

Trata-se de uma minissérie baseada em um seriado norueguês de mesmo nome, já existente, onde os protagonistas estão imersos em profunda tristeza e solidão e uma nova tecnologia é testada no intuito de retirá-los dessa condição.

Supostamente, diante do formato minissérie, Maniac encerra as atividades com apenas uma temporada, mas suspeito que em decorrência do sucesso estrondoso veiculado a ela, eventualmente pode ser que a Netflix opte por dar uma continuidade.

É imperioso ressaltar a atuação dos personagens principais, que já haviam trabalhado juntos no clássico geek “Superbad”, e nessa nova fase encontram-se no mais avançado desenvolvimento artístico. Ambos transmitem profundidade e intensidade admiráveis, fazendo com que o espectador se emocione e angustie a medida que acompanha a história dos protagonistas.

maniace netflix resenha

No longa, Jonah Hill interpreta Owen, um rapaz pertencente a uma família milionária, poderosa e inescrupulosa. Ele sofre de esquizofrenia e justamente por conta de seu problema psicológico, é rejeitado por sua família. Frequentemente, Owen passa por delírios e acredita fazer parte de algum tipo de conspiração governamental, onde um individuo (muito semelhante fisicamente a seu irmão) o faz acreditar que seu objetivo na Terra é salvar o mundo.

Paralelamente, conhecemos Annie, interpretada por Emma Stone, uma jovem atormentada por seu passado familiar, e que no intuito de esquecer seus problemas, acaba viciada em uma droga produzida pela empresa Neberdine Pharmaceutical & Biotech. Annie sofre pela culpa de perder sua irmã, Ellie Landsberg (Ozark) em um acidente de trânsito, por ter sido abandonada pela mãe quando criança e por seu pai viver em uma espécie de cápsula de isolamento nos fundos de sua casa, de modo que a pílula “A” a mantém viva, porém, não lúcida para encarar a realidade.

Owen, motivado a desvincular-se de sua família, compra um apartamento minúsculo e procura métodos para arrecadar dinheiro. Já Annie, busca desesperadamente meios para obter mais da medicação em que está viciada e que não consegue mais ter acesso ilicitamente. Ambos os personagens tomam ciência sobre um experimento produzido pela empresa Neberdine Pharmaceutical & Biotech que, em tese, utiliza-se de comprimidos (aqueles em que Annie é viciada) para garantir felicidade constante, e cada um por suas intimas razões, decidem candidatar-se a participarem de ensaios remunerados para testes desse novo tratamento.

maniace netflix resenha

O Universo de Maniac se torna notável quando os dois personagens se encontram e a história passa a se interligar.  

Importante salientar que a minissérie se passa em um ambiente Cyberpunk, ou seja, um lugar controlado por tecnologias da informação em uma esfera de dominação da sociedade, de revolta e tristeza de seus cidadãos e da degradação do estilo de vida, manifestada nitidamente pelos locais minúsculos e informatizados, pelo uso excessivo de cores saturadas em neon contrabalanceando os ambientes cleans, e pelo uso de aplicativos como “Friend Proxies”, que proporcionam aos seus usuários uma espécie de “amigo de aluguel”.

Aliás, o estilo Cyberpunk é tão notório que se tornam drásticas as referências a Blade Runner, clássico cinematográfico de 1982, recentemente objeto de um remake; assim como de Tron: O Legado, que mescla bem a realidade paralela abordada.

maniace netflix resenha

Nessa esteira, o espectador sente um imenso desconforto, haja vista que não consegue identificar exatamente em que ano se passa a minissérie, justamente em consonância com o explicitado, já que a ambientalização dos cenários nos remete as épocas setentista e oitentista, sobrepostas pela perspectiva da quantidade de máquinas e computadores que coordenam a vida dos seres humanos. Ou seja, ao mesmo tempo que as personagens apresentam-se interagindo com indivíduos cibernéticos, pessoas vivendo em imóveis subterrâneos, vendendo seus rostos para campanhas publicitárias por meio de aplicativos, e “comprando” amizades, o seriado mostra trajes e trejeitos específicos das décadas de 70 e 80, assim como o uso excessivo de cigarros em espaços fechados.

O desconforto daquele que acompanha o seriado continua quando o longa apresenta o inicio da fase de testes, pois ainda não há compreensão sobre o que está por vir. A principio é explicado que o tratamento possui três pilares, expressados pelas pílulas: A, responsável por trazer a tona o pior momento da vida de cada participante; B, responsável pela absorção e assimilação dos participantes no contexto em que estão inseridos; e C, responsável pelo confronto final.

À medida que tomam os comprimidos, são colocados à prova mediante diferentes cenários e situações, de modo que os protagonistas não conseguem mais diferenciar a realidade de suas vidas e dos ensaios. Contudo, algo curioso ocorre com Owen e Annie, já que a psique dos dois insiste em inseri-los na mesma situação irreal.

O desenvolvimento das histórias flui de uma maneira muito interessante, onde os dois primeiros episódios são focados nas histórias dos dois protagonistas e os seguintes nos processos que passam nos testes na empresa. Entre os episódios é possível perceber referências clássicas como “Os oito odiados”, no visual típico do Quentin Tarantino onde Annie troca tiros com mafiosos; “O Senhor dos Anéis”, em lógica alusão ao condado e aos Hobbits Frodo e Sam, no papel de Annie e sua irmã; tudo isso inserto em um enorme mundo de “Brilho eterno de uma mente sem lembranças” e “A Origem”, demonstrando a necessidade dos participantes do ensaio em esquecer ou aprender a conviver com memórias que os machucam.

Em contraposição, Dr. James (Justin Theroux), Dra. Azumi Fujita (Sonoya Mizuno) e Dra. Greta (Sally Field), funcionários do laboratório, compõem o núcleo de personagens que se mantém do lado analítico do experimento. A série brinca com a ironia de que indivíduos totalmente abalados e desnorteados psicologicamente tentam curar feridas de terceiros, quando na prática, sequer curaram a si próprios, construindo no espectador a sensação de que todo o contexto fático na verdade funciona como uma esperança de auto-salvamento. Prova disso, é a necessidade de adicionar empatia a GRTA (Sally Field) e as consequências de sua afeição pelo Dr. Robert Muramoto (Rome Kanda), que acabam por acarretar a necessidade de manter seus “McMurphys” consigo (nomenclatura cristalinamente utilizada em referência ao filme “Um estranho no Ninho”).

maniace netflix resenha

Vale notar que quando o espectador começa a se perder entre a realidade dentro dos ensaios e àquela originalmente apresentada, a minissérie sutilmente acrescenta elementos norteadores, como experiências e memórias da vida real de cada personagem, além de situações reconhecíveis e ainda, perspectivas dos próprios protagonistas, elaboradas sobre si próprios e claramente distorcidas. Assim, agrega-se aos ensaios, por exemplo, um segurança que se torna guarda ambiental, uma psicóloga transformada em uma renomada anfitriã da alta sociedade e até mesmo uma propaganda que ressurge como chofer.

A minissérie transcorre fascinando o telespectador, que luta para entender porque duas mentes tão distintas insistem em se conectar em duas realidades paralelas, assim como segue encantando àqueles apaixonados por narrativas e clássicos da dramaturgia, dando toques vastos de surrealismo e fantasia e nos mostrando a importância da interatividade com outros seres humanos.

À titulo de bônus, não posso deixar de evidenciar a trilha sonora de Maniac, responsável pela sensação de desespero, perdição e expressividade causada naqueles que observam atentamente a série, guiando os próximos picos de surrealismo. Insta enfatizar que a trilha é um recurso fundamental para qualquer obra cinematográfica, justamente por ser o elemento que dá ritmo ao filme e que contribui para emocionar, causar medo ou empolgar, e no longa em apreço nitidamente a música escolhida ajudou na narrativa e nas composições de cenas dos personagens.

Eu, particularmente, fiquei enfeitiçada pelo universo de Maniac, que é tão excessivo e viciante quanto Annie e Owen. No meu ver, a minissérie atinge pontualmente uma problemática cotidiana da nossa sociedade, que tende a se desenvolver e ocasionalmente piorar, já que a cada dia que passa percebemos o uso abundante e despropositado de dispositivos móveis, redes sociais e a consequente diminuição de interatividade humana corporal.

Como um bom Cyberpunk, o seriado nos deixa o questionamento sobre o rumo do uso da nossa tecnologia, pois ao mesmo tempo que atua como escopo de conduzir a prosperidade e avanços medicinais, econômicos, entre outros, traz consigo o peso das problemáticas sociais, doenças envolvendo danos psicológicos oriundos da ausência de conexões reais e o vazio motivado pelo relacionamento com máquinas.

Além de proporcionar uma experiência extremamente válida ao público em defluência das referências cinematográficas, da linda fotografia e da qualidade musical, Maniac agrada àqueles que buscam refletir sobre sua própria existência, sobre o potencial da mente humana e sobre os reflexos de uma sociedade que caminha pela inversão de papéis entre máquinas e seres humanos.

Essa foi nossa análise de Manic (Netflix) – Resenha, para outras análises visite nossa área de Séries.

Análise Crítica
Data
Título Original
Maniac (Netflix)
Nota do Autor
51star1star1star1star1star

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here