Dororo – Resenha dos episódios 23 e 24 (episódio final)

1
564

E chega ao fim uma das grandes promessas desse ano no universo dos animes. Nos dois últimos episódios, 23 e 24, a obra entrega uma grande carga de emoção e adrenalina com longas cenas de luta e reflexão levantadas durante o anime inteiro. Vamos a resenha dos dois últimos episódios de Dororo.

O episódio 23 começa com a batalha de Hyakkimaru contra Tahomaru, Mutsu e Hyogo com partes do ronnin nos últimos três dadas pelos demônios. Cheio de luta e grandes movimentos de lutas elaborado, as trocas de espadas ainda exibe certa superioridade de Hyakkimaru perante Tahomaru.

Mutsu e Hyogo acabam sendo mortos pelo demônio que possuiu o cavalo que estava com Hyakkimaru, fazendo com que os braços dele voltassem e mais uma vez, Nui aparece em campo de batalha. Os irmãos continuam lutando em diversos lugares, até chegarem no palácio de Daigo, onde a luta final está prestes a acontecer. Mesmo com os membros superiores muito recentes, Hyakkimaru continua mostrando destreza nas suas habilidades com as katanas.

O episódio 24 começa com Nui e Dororo muito apreensivas com a luta dos irmãos. Biwamaru e Jukai que aparecem perto do local também começam a ficar ansiosos com toda a situação. Novamente com uma longa cena de ação, Hyakkimaru consegue derrotar seu irmão, o convencendo sobre o quanto aquela luta é desnecessária. Tahomaru devolve os olhos ao irmão que logo após derrota o último demônio.

O episódio termina com Hyakkimaru fugindo do palácio com Dororo e Biwamaru enquanto Tahomaru, Jukai e Nui são soterrados pelos escombros do palácio. Hyakkimaru ainda vai atrás de suas últimas respostas com seu pai, que volta da guerra contra Asakura, mostrando a ele que é superior a tudo o que Daigo o pôs a prova.

Hyakkimaru ao decidir não matar seu pai e irmão, mostra que o jovem conseguiu controlar seus demônios internos e ter misericórdia. O episódio final e o anime como um todo nos mostrou o quanto a ambição pode cegar os objetivos dos seres humanos, além de mostrar que o que nos torna humanos é o quão suscetível estamos a isso.

Outros três pontos positivos que marcaram o anime de Dororo:  A retratação dos tempos de shogunato no Japão e a crueldade presente na sociedade, desde o descaso e atrocidade dos samurais, até mesmo os casos de miséria excessiva e prostituição; As cenas de ação sendo muito bem feitas; E é claro também, a dramaticidade exposta em cada um dos personagens, principalmente ao drama de Hyakkimaru sendo exposto como um mostro por sua grande ambição simplesmente por querer o que é seu por direito.

Em comparação ao mangá, a adaptação para anime foi muito melhor executada. O roteiro, construção de linha do tempo, continuidade de história e principalmente enredo mais sombrio e dramático combinou muito mais com a estória. Um Hyakkimaru mais misterioso e nebuloso traz muito mais sentido e certa empatia com a trama do personagem. A forma com que Hyakkimaru resolve suas diferenças familiares também foi completamente diferente, uma das poucas coisas que fica para interpretação se foi ou não melhor para a trama.

Agora vemos uma Dororo e um Hyakkimaru completamente diferente dos primeiro episódio e muito mais maduros e bem trabalhados. Ao final, com pequenas cenas dos personagens um pouco mais velhos e com a narração misteriosa, o anime Dororo traz uma esperança de que possa haver alguma continuação, o que dificilmente possa acontecer.

Confira outras resenhas de animes aqui. Siga o Meta Galáxia nas redes sociais!

Análise Crítica
Data
Título Original
Dororo
Nota do Autor
51star1star1star1star1star

1 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here