Vale a pena assistir The Big Bang Theory?

TODO MUNDO CONHECE, TODO MUNDO JÁ FOI CONVIDADO A ASSISTIR, MAS VALE A PENA?

61
Elenco de The Big Bang Theory

The Big Bang Theory é a série de nerds que fez sucesso durante anos e chegou ao final em 2019. Causando irritação em muitos que não entendem a graça que o pessoal acha nas piadas, mas que muitas vezes essa irritação não tem justificava. Afinal não é melhor assistir e tentar realmente entender do que falar que não tem graça só fingindo que já tentou assistir e não gostou? Mas não sabe se vale a pena tentar? Bem, agora é a chance de descobrir!

Antes de qualquer coisa, para deixar bem claro, isso não é uma crítica e sim uma apresentação da série. Consequentemente quem fará o julgamento se vale a pena ou não é você. A função do texto é tentar deixar bem claro como são os personagens, a história e como os dois funcionam humoristicamente. Eventualmente com alguns pitacos de opinião quando necessário.

Uma leva de inspiração

Protagonizada por Leonard (segundo da direita para esquerda, de óculos), a série é, na verdade, como muitas outras na última década sobre um cara tentando ficar com uma garota. Além disso, há seus amigos “diferentes” que vão evoluindo ao longo das temporadas e um pano de fundo único para a diferenciar dos demais. Vamos começar pelo pano de fundo que é sobre o que mais se fala quando o assunto é The Big Bang Theory (ou TBBT, para os íntimos).

The Big Bang Theory e o mundo Nerd

As referências, apresentação e zoação ao mundo nerd é a principal ferramenta para tentar diferenciar a série das muitas que existem no mercado, e bem ou mal feita, com certeza é a razão do sucesso dela. Desde quadrinhos, filmes e séries antigas, livros, objetos, participações especiais, tem de tudo e sempre com bom humor. Também há a questão científica, que é bastante abordada, com teorias sendo discutidas, as curiosidades de Sheldon que apesar de serem usadas para efeitos humorísticos, não deixam de estar certas e serem informativas.

Para você que curte o mundo nerd é um prato cheio, mas também uma faca de dois gumes, pois em muitos momentos essa questão é abordada do ponto de vista americano da coisa. Sobretudo visto a maneira como o termo “nerd” mudou bastante o seu significado nos últimos anos, o início da série pode parecer forçado aos olhos dos mais novos. Alguns podem até se ofender pela maneira que são representados. Mas não se engane, a série não representa você e sim os nerds dos EUA de +12 anos atrás, antes da Marvel globalizar esse mundo com seu UCM. Antes de mais nada tome cuidado com esse detalhe antes de julgar os personagens mostrados em TBBT com seu discurso de “Nós não somos assim, essa série passa uma imagem errada”.

Mais do que só sobre nerds

Já na parte cientifica, o enredo usa mais para evolução dos personagens. Aqui há um claro momento em que voce vai decidir se gosta ou não: Há muitas coisas e piadas que irão passar batido. Isso porque nem todos possuem sequer o básico de conhecimento cientifico, e isso não é culpa da série, que parte da premissa que você tem pelo menos o ensino médio. Portanto muita coisa é falada sem ser necessariamente explicada querendo que você entenda. Não entenda este ponto como sinal de arrogância, eu mesmo não entendo muitas destas piadas de nível “médio”. Da mesma forma outras piadas mais difíceis são propositalmente de um nível acima, ou seja, a intenção é que o humor seja pelo contexto e pela reação dos personagens (principalmente Penny) e não pela parte cientifica da coisa. Cabe a você decidir se este tipo de humor agrada.

Os personagens de The Big bang Theory

Nenhuma série se faz sem seus personagens. Em séries de comédias, há uma liberdade criativa para exagerar e torná-los mais caricatos. TBBT utiliza bastante esta premissa e trás personagens únicos e que vão se moldando ao longo dos anos, afinal, 12 temporadas é bastante tempo.

Leonard

Leonard

Protagonista da série (sim é ele e não o Sheldon), Leonard segue o padrão de protagonistas de sitcons, sendo o mais “correto” dos amigos e o centro de seu grupo (algo abordado em um episódio, inclusive). Seu objetivo logo no piloto fica bem claro, conquistar Penny, a nova vizinha. Ele também é cientista, um físico experimental. Humoristicamente falando é um bom personagem, sua relação com sua mãe chama muito atenção. Mas ele acaba sendo aquele cara gado que pode irritar um pouco as vezes (Ted?) pela insistência em tentar fica com a protagonista. Por outro lado é também o melhor personagem dramático da trama, para quem não gosta só de humor.

Sheldon

Sheldon

Rostinho mais famoso da série, Sheldon é o personagem caricato que chama a atenção e rouba o protagonismo. Melhor amigo de Leonard, ele é extremamente inteligente e assim como o amigo um gigantesco nerd e também cientista. O personagem é absurdamente robótico e possui características únicas devido a isso, levando a lógica a um nível fora do normal tentando evitar os sentimentos. Há algumas inconsistências nas ações do personagem ao longo das temporadas, mas se você consegue se acostumar com o jeitão dele é muito bom de ver sua evolução. De certa forma é como ver uma criança crescendo, mas você precisa ter paciência e aceitar a ideia de que um homem adulto e inteligente agiria daquela maneira.

Penny

Penny

Penny é a loira bonita, nova na cidade e vulnerável que se muda para o apartamento à frente dos dois citados anteriormente. Apresentado como alguém muito burra, a loira vai evoluindo bem ao longo da série. Também serve como os olhos e ouvidos dos telespectadores em meio aquele mundo diferente em que vivem os amigos. Ela é a causa das explicações e zoações com aquele mundo. Penny é uma garçonete e busca uma chance em Los Angeles para ser atriz. Felizmente ela foge ao ar clichê de patricinha e é uma mulher mais “macho” que os outros quatro protagonistas. Sua evolução é boa ao longo da série e também interessante de se acompanhar, principalmente sua relação de amizade com Sheldon.

Howard

Howard

Assim como Sheldon, Howard é um personagem bastante estereotipado e caricato, mas diferente do companheiro ele é “humano” e possui uma evolução interessante como pessoa. Principalmente após conhecer Bernadette, que faz muito bem para o desenvolvimento pessoal do personagem. Melhor amigo de Raj, ele surge como um mero coadjuvante na primeira temporada. Apesar de aparecer em todos os episódios, quase sempre é só um suporte humorístico e não possui um plot próprio.

Mas isso é porque a série dedica toda sua primeira temporada a desenvolver Leonard e os demais acabam ganhando sua atenção e perdendo o ar de suporte ao longo das demais temporadas. Howard, a exemplo dos amigos, é cientista e nerd, mas se acha o pegador e galanteador. Sua relação com sua mãe também é bastante divertida e gera boa cenas. É o melhor e mais versátil ator da série e toda atenção que recebe da terceira temporada em diante é justificada.

Raj

Raj

Rajesh é um indiano tímido que se mudou a pouco tempo para os EUA para trabalhar na Calltech, onde também trabalham os outros três. É o melhor amigo de Howard e está com ele em todos seus momentos – até demais. Este é um personagem meio abandonado pelo enredo no sentido de desenvolvimento, mas possui uma conclusão diferente e que foge ao clichê ao final da série. As piadas em relação ao personagem são baseadas na sua timidez, etnia e também sobre a relação exageradamente íntima que possui com Howard. Além disso ainda há a sua incapacidade de falar com mulheres sem estar bêbado que é uma piada recorrente e abandonada na hora certa antes de se tornar cansativa. Diferentemente daquelas relacionadas a sua incapacidade de manter um relacionamento que ficam um pouco repetitivas ao longo das 12 temporadas.

Amy e Bernadette

Bernadette e Amy, respectivamente.

Farei um resumo pequeno das duas porque elas são introduzidas mais tarde quando você já terá assistido o suficiente para decidir se vai continuar ou não. Amy é a última a ser apresentada e é uma neurobiologista. A principio parece uma segunda versão do Sheldon, mas os roteiristas felizmente se utilizam da personalidade da personagem de um maneira diferente através das interações dela com Penny. Humoristicamente é uma grande personagem e ajudou muito a tirar Sheldon da mesmice na história.

Já Bernadette é introduzida primeiro e traz também um fôlego para Howard. Também tem sua personalidade alterada em comparação com suas primeiras aparições e humoristicamente falando tem sua personalidade mandona e um pouco malvada como gatilho para as piadas. Ambas são uma bela adição ao elenco da série ao trazer diferentes questões e desenvolvimento para os personagens e até mesmo entre elas mesmas que sofrem muitas mudanças ao longo das temporadas.

Stuart e outros recorrentes.

Stuart - Coadjuvante de The Big Bang Theory

Donos da loja de quadrinhos, Stwart é o “coadjuvante principal” da série, possui muitas participações, mas sem jamais entrar oficialmente para o grupo de amigos. Suas piadas são em relação a sua aparência de homem doente o tempo todo e o fato de ninguém querer estar com ele. Kripk é outro personagem recorrente, sendo o cara malvado que zoa os nerds. Mas ele também não foge muito ao estilo da série, sendo tão estranho quanto os outros. Sua voz e seus costumes nojentos são usados para piadas com o personagem. E, por último, temos Leslie que sumiu ao longo da série, mas de inicio tem uma boa participação, com seu jeito durona e desapegada, e até um pouco bipolar. Ela serve de par romântico alternativo para Leonard antes dele resolver que irá investir mesmo em Penny.


Então, após tudo você deve ter o suficiente para saber se deve assistir ou não, certo? Se ainda assim as informações não foram suficiente e precisa de uma opinião mais objetiva, vamos deixar a neutralidade de lado por um momento.

Análise pessoal de The Big Bang Thoery

Há, na maioria das sitcons, uma necessidade de adaptação para com o humor e seus personagens. Um belo exemplo é Michael Scott em The Office, é impossível assistir a série sem gostar do personagem, ou mesmo entender seu humor. Barney é um personagem bastante ofensivo em HIMYM e pode ser incômodo para alguns também. A questão é, que, na maioria das sitcons, os personagens e suas peculiaridades servem de gatilho para o humor, se você não gosta dos personagens, vê-los sendo utilizados para o humor pode ser pior ainda de assistir. Em The Big Bang Theory não há nenhum personagem imediatamente ofensivo – Um pouco Howard, talvez -, ainda que muitas piadas sejam. Entretanto, os personagens têm seus jeitos únicos, o que exige uma adaptação que, pode ou não, espantá-lo.

Um público alvo bem específico…

A série dos nerds tenta ser única em diversos aspectos, atingindo um público que vai muito além dos que simplesmente buscam uma comédia com um pouco de romance. Essa tentativa faz com que venham a tona uma infinidade de referências e manter a coerência prende o roteiro diversas vezes àquilo inicialmente cravado lá nos primeiros episódios. Com isso, o roteiro tem um pouco de dificuldade em fugir da mesmice com alguns de seus personagens e plots. Também fica como um defeito o fato de a série ser pouco limitada em questão de público.

E com isso não me refiro somente a ciência e quadrinhos, mas a cultura norte-americana como um todo, que é bastante referenciada e leva muitas piadas a serem completamente impossíveis de pegar se você não morou nos EUA ou é um fã de tudo que o país produz. Essas referências à cultura são comuns em séries do tipo, como nos Simpsons, mas não deixa de ser um problema para quem é brasileiro. Não chega a ser um defeito propriamente dito, afinal é um produto feito inicialmente para os estadunidenses, mas pode pesar na hora de você decidir se irá assistir ou não.

Concluindo

A série possuí os problemas que eu citei, mas tá longe de ser ruim. Seu grande problema talvez seja mesmo a falta de inovação e talvez um pouco de coragem em arriscar mais no drama. Dando uma profundidade maior aos seus protagonistas, como Penny que acaba tendo sua carreira de modelo pouco aproveitada. Em dado momento, o roteiro se vê preso ao personagem de Sheldon que fica sobrecarregado e diminui e muito o ramo de possibilidades para serem exploradas, mas até lá muitas risadas já foram dadas. Em síntese, até a quinta temporada temos uma ótima dinâmica, variação de humor e introduções orgânicas e necessárias de personagens. Entretanto daí em diante há um sobe e desce de qualidade que varia de episódio para episódio, mas a essa alturas caberá a você decidir se continua ou não.

Quer uma opinião bem resumida e direta? Vale a pena sim até a quinta temporada, e como eu mencionei antes, nada impede você de parar. A série não fica ruim, mas como qualquer outra possuí seu auge e a saída dele pode te decepcionar.


É isso, espero que tenha deixado o mais claro possível como funciona The Big Bang Theory e como são seus personagens. Mas o melhor é sempre assistir e tirar suas próprias conclusões. E aí, após ler tudo, você acha que vale a pena assistir TBBT?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here