Dica: 6 mangás LGBTQ+ para ler agora

É hora de iluminar alguns dos melhores mangás com personagens do espectro LGBTQ+. Há um mangá para todos sob o arco-íris.

Dia Game - mangás LGBTQ+

Dica: 6 mangás LGBTQ+ para ler agora

Junho, o Mês do Orgulho LGBTQ+ em todo o mundo! É um momento para celebrar a diversidade e defender os direitos de gênero. Gerações passadas e presentes deixaram sua marca, levando a mais aceitação do que nunca. Junto com essa aceitação vem a visibilidade para a comunidade. Com isso, anteriormente trouxemos Cinco quadrinhos LGBTQIA+ para conhecer. Agora, por que não uma dica de mangás LGBTQ+?

Afinal, uma das maneiras pelas quais vem a visibilidade para a comunidade é através da ficção, onde mais criadores estão escrevendo sobre personagens que se enquadram no guarda-chuva LGBTQ+. No mundo do mangá, títulos premiados como My Brother’s Husband e a crescente popularidade do gênero de amor masculino são apenas alguns exemplos de progresso. Aqui estão seis grandes mangás LGBTQ+, cada um explorando uma identidade diferente sob o arco-íris.


Love Me For Who I Am por Kata Konayama

Love Me For Who I Am

Em nossa lista de mangás LGBTQ+, não poderiamos deixar de começar com Love Me For Who I Am! Quando o colegial Tetsu vê seu colega de classe Mogumo desejando encontrar um lugar onde eles pertençam, então ele decide tentar torná-lo realidade. Ele conta a Mogumo sobre o café em que trabalha e os convida a se inscrever. O Café Question é um pequeno café de empregada com um toque diferente; é também um café otokonoko, onde os garçons biologicamente masculinos se apresentam como femininos.

Entre a equipe está um cosplayer que se veste para escapar de uma vida estressante, um adolescente gay que simplesmente gosta de se vestir e uma garota trans que ainda não está pronta para sair do armário. No entanto, nenhuma dessas identidades se encaixa em Mogumo. Na verdade, Mogumo é não-binário. Mesmo em países mais progressistas que o Japão, as pessoas não-binárias são muitas vezes incompreendidas. Os humanos naturalmente querem categorizar as coisas, então encontrar algo – ou alguém – que não se encaixa em um sistema binário é confuso.

Ao longo de seus cinco volumes, Love Me for Who I Am aborda essa confusão explorando Mogumo como personagem. À medida que a história avança, o leitor aprende com o elenco sobre seus níveis de conforto, interesses e lutas. Ao longo do caminho, todos os outros ganham seu tempo no centro das atenções. Ninguém realmente atende às expectativas da sociedade para eles, e isso causa muitas dificuldades, mas todos merecem um lugar onde possam ser eles mesmos.

Dia Game por Kotora Byaku

Dia Game - mangás LGBTQ+

Disponível em: Amazon Brasil

Dia é um vampiro de cabelos prateados e olhos amarelos. Ele nunca atacou as pessoas, mas ainda chamava a atenção por essas características. Além disso, Dia vivia amedrontado por estar sempre sendo monitorado por Crow, que pertence a uma organização de caçadores de vampiros. Após ir para o Japão, ele acaba conhecendo um comerciante chamado Totsuka que lhe fornece um local para morar e trabalhar. Com o tempo, Dia passa a se sentir atraído pelo homem, mas ele é inocente demais para um vampiro!

É nítido: o vampiro de Kotora Byaku acaba se metendo em encrencas no Japão. O mangá é volume único, então é perfeito para quem procura leituras rápidas ou tem medo de começar uma série que pode não ter final! Além disso, mesmo sendo uma história de um vampiro, não é uma história violenta. Ou seja, você poderá ler simplesmente porque quer algo romântico.

I Think Our Son is Gay por Okura

I Think Our Son is Gay

Do mesmo criador de That Blue Sky Feeling, este mangá explora ser um adolescente gay de uma perspectiva diferente. A dona de casa japonesa Tomoko tem uma suspeita de que seu filho Hiroki é gay, mas ela não vai dizer nada até que ele mesmo diga. Hiroki não é tão reservado quanto pensa, mas tudo o que ela faz é sorrir e fingir que não viu nada.

Esta série fofa e curta segue Tomoko em sua vida diária, cuidando de seus filhos e fazendo o que pode para que eles se sintam amados. Se algo deixa Hiroki chateado, ela encontra uma maneira de confortá-lo. Quando outra pessoa coloca expectativas nele, então ela redireciona a conversa. Se Hiroki deixar claro que tem uma queda por seu melhor amigo, Tomoko finge que acha que é apenas uma grande amizade.

Se nada mais, este mangá é um exemplo de como os pais podem sutilmente apoiar seus filhos. Para muitos, Tomoko encarna o que eles gostariam que seus pais fossem, mas as coisas que ela vem com o fato de ser mãe. Ela cumpre seus deveres para com seus filhos, dando-lhes conselhos, assim como orientando-os na direção certa e fazendo o possível para entendê-los.

Boys Run the Riot por Keito Gaku

Boys Run the Riot

Originalmente um único capítulo do mesmo autor, Boys Run the Riot é sobre auto-expressão. O adolescente transgênero Ryo só se sente quando está usando suas marcas favoritas de moda de rua, até que encontra seu colega de classe Jin enquanto faz compras. Os dois fazem amizade e decidem começar sua própria linha de roupas.

Enquanto eles tentam tirar sua marca do papel, Ryo experimenta coisas que muitos adolescentes trans fazem e temem passar. De lutar para amarrar seu peito a ser descoberto, o enredo joga muito contra ele. Sendo um homem trans, o autor Keito Gaku sabe como transmitir a emoção nessas cenas melhor do que a maioria. Com visuais inteligentes e tensão palpável quando necessário, mesmo aqueles que não conseguem se relacionar com a situação de Ryo podem sentir os altos e baixos. Dito isto, pode chegar perto de casa para aqueles que passaram por experiências semelhantes.

O que realmente brilha nesta série de quatro volumes, além de Gaku provavelmente se basear em suas próprias experiências, é como Boys Run the Riot celebra ser um pária. Ryo, Jin e sua gravadora não veem o que há de tão errado em ser diferente.

I Want to Be a Wall por Honami Shirono

I Want to Be a Wall - mangás LGBTQ+

Yuriko e Gakurota são recém-casados, mas estão longe de ser o casal amoroso que todos esperam que sejam. A verdade é que Gakurota é gay e apaixonado por seu amigo de infância, enquanto Yuriko pode ser a primeira protagonista abertamente assexual de uma série de mangá. Eles se casaram por aparências e para tirar suas famílias de suas costas, mas as expectativas continuam chegando.

Mesmo que um relacionamento típico de marido e mulher seja impossível para esses dois, eles criam um vínculo igualmente forte. Yuriko apoia totalmente os sentimentos de Gakurota por seu amigo, enquanto ele se compromete a ser um bom parceiro quando puder. Gakurota se interessa por seus hobbies e respeita seus limites, dizendo que ele não vai segurar a mão de Yuriko se isso a deixar desconfortável.

I Want to Be a Wall tem uma perspectiva refrescante sobre a assexualidade. Normalmente, a mídia retrata personagens assexuais como robôs sem emoção, ou eles acabam abandonando esse rótulo quando encontram uma “exceção especial”. Yuriko está longe desse arquétipo. Ela sente suas emoções fortemente, ficando feliz e chateada como qualquer outra pessoa. Ela também adora ler sobre relacionamentos fictícios. A única vez que ela é contra um relacionamento é quando ela mesma está envolvida.

A White Rose in Bloom por Asumiko Nakamura

A White Rose in Bloom

Quando Ruby não tem escolha a não ser passar as férias de inverno em seu internato com apenas a inflexível Steph como companhia, ela pensa que vai passar o resto das férias sozinha. Mas uma surpresa lhe aguarda no Natal: ela terá uma companhia.

Após as férias, as meninas se reúnem novamente quando Ruby precisa de um tutor. A tensão romântica é palpável, mas há mais sob a superfície desta história. Enquanto Ruby lida com as consequências do divórcio de seus pais, o passado de Steph está envolto em mistério o suficiente para espalhar rumores. A diretora da escola está de alguma forma envolvida, e ela claramente tem segundas intenções. Esse giro pode levar a desenvolvimentos interessantes mais adiante. Com apenas dois volumes lançados até agora, há muito espaço para crescimento em seu relacionamento e mistérios a serem desvendados.

Em conclusão, essa é a nossa lista de mangás LGBTQ+! Conte para a gente: você já conhecia algum desses mangás? Além disso, conhece outros interessantes?

Goiana. Arqueóloga, focada em Educação Patrimonial. Redatora. Escritora. Apaixonada pela Cultura Brasileira e pela Cultura Geek. Cosplayer nas horas vagas gótica e gamer. Aqui no Meta Galáxia, colaboro com matérias sobre o universo geek: notícias, entrevistas com cosplayers, listas de filmes e animes, análises de animes e jogos, curiosidades e muito mais!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here