Metallic Rouge comemora o legado do anime original

Bones comemora 25 anos com Metallic Rouge: um anime neo-noir que tem todos os ingredientes para um conto distópico, mas aposta na ação.

Metallic Rouge

Metallic Rouge comemora o legado do anime original

Metallic Rouge é um anime que explora temas persistentes de ficção científica relacionados à coexistência entre humanos e androides em uma sociedade futurista, onde o preconceito é prevalente e a emancipação é uma conquista difícil. Produzido pela Bones, conhecido pelo trabalho em My Hero Academia e nas adaptações de Fullmetal Alchemist, este projeto é dirigido por Motonobu Hori, apresentando políticas e batalhas mecânicas em um vibrante mundo cyberpunk marcado por desigualdades fundamentais. Criada em conjunto por Yutaka Izubuchi, com roteiro de Toshizo Nemoto e trilha sonora de Towa Tei.

Desde tempos remotos, a humanidade tem preenchido lacunas em sua compreensão do mundo, usando a concepção de Deus como um ser todo-poderoso no topo do universo conhecido para racionalizar seus medos. Com o avanço da ciência, surgiu um novo enigma, levando a humanidade a uma jornada de autodescoberta em busca de conhecimento e poder. Séculos após Mary Shelley ter escrito Frankenstein, considerado o primeiro livro de ficção científica, muitos escritores imaginaram a sociedade moderna como uma utopia de maravilhas tecnológicas e androides. Embora esse cenário não seja mais um sonho distante, no mundo real, ainda existem elementos de descontentamento. As histórias de ficção científica têm o papel de destacar essas questões através das lentes da inteligência artificial, androides e outros temas. Metallic Rouge, embora não inovador, alcança com sucesso o que se propôs a fazer.

Metallic Rouge acontece em um futuro destruído

METALLIC ROUGE

Situado nas paisagens vermelhas do solo e dos céus marcianos, Metallic Rouge é um anime original produzido pelo renomado estúdio de animação Bones, como parte das comemorações de seu 25º aniversário. O enredo se desenrola em um ambiente onde andróides humanoides, conhecidos como “Neans”, realizam tarefas servis e perigosas que os humanos abandonaram há muito tempo. A trama se desdobra a partir da tensão entre essas duas espécies coexistentes, evidenciada desde a cena inicial, onde um pássaro sobrevoa Neans trabalhando sob o sol marciano.

O episódio piloto destaca Rouge Redstar, uma jovem Nean que desempenha o papel de assistente da cantora Sarah Fitzgerald, estrela do Club Canal. Embora aparentemente uma entusiasta comum, Rouge esconde um segredo que pode complicar as relações ao seu redor. Sua treinadora e investigadora, Naomi Orthmann, também desempenha um papel complexo na trama, com seus próprios objetivos e motivações.

Desde o início, Metallic Rouge utiliza a intolerância como uma ferramenta para expor as sombras de seu mundo, oferecendo uma plataforma para comentários sociais. A discriminação contra os Neans, apesar de sua semelhança física com os humanos, é um tema recorrente, destacando a injustiça e o ódio baseado puramente na aparência. A trama revela cenas de trabalhadores do Club Canal roubando o Néctar, necessário para a vida dos Neans, enquanto menosprezam seus colegas robôs. Essa representação exagerada, típica da ficção científica, ecoa tristemente situações reais de discriminação.

A subtrama envolvendo a liberação dos androides da servidão eterna alimenta debates sociais específicos da ficção científica. Com Neans de diferentes categorias demonstrando personalidades e objetivos distintos, o anime destaca a dificuldade em não se solidarizar com aqueles criados para aliviar o fardo de trabalho humano. A intolerância retratada revela os vícios da população humana de Marte, que distorce o Código Asimov em seu benefício, evidenciando a manipulação das “Três Leis da Robótica” de Isaac Asimov.

Os personagens rapidamente se tornam queridos pelo público

Metallic Rouge

Surpreendentemente, Metallic Rouge não se preocupa em construir uma retórica política mais ampla. Desde o início, o anime apresenta claramente sua tese, destacando os Neans como ferramentas e os humanos como opressores. Os episódios são incisivos ao mostrar os Neans em diferentes camadas da sociedade, desde os trabalhadores servis até aqueles quase indistinguíveis dos humanos, que se tornaram verdadeiras armas disfarçadas. Quando a história revela a existência da coalizão “Nove Imortais”, formada por Neans desertores, e a missão de Rouge de caçá-los, as facções entram em cena, contextualizando o conflito que se desenha desde o início.

A tensão entre humanos e androides, construída no piloto, adiciona mistério e drama à narrativa. Os verdadeiros perigos permanecem nas sombras até o último momento, criando uma trama envolvente. Os aparentes antagonistas, os Neans superiores do Immortal Nine, não facilitam seu caso com suas ações assassinas em busca da liberdade. Esses Neans transcenderam as leis de Asimov, demonstrando emoções e pensamentos independentes, o que torna seu extremismo ainda mais perturbador.

O episódio de estreia não economiza na introdução de personagens, cada um contribuindo para a complexidade da trama. A narrativa principal se concentra em Rouge e sua empregadora, Sarah, provenientes de extremos opostos da vida. A voz suave de Yu Shimamura dá vida à natureza gentil de Sarah, enquanto sua feroz proteção do que conquistou adiciona profundidade à personagem. A própria Rouge, interpretada por Yume Miyamoto, expressa suas reações significativas mais através de suas ações do que de palavras, sugerindo mistérios além do alcance do espectador. A vulnerabilidade de Sarah e a indiferença sociopata de Jaron, interpretado por Hiroyuki Yoshino, destacam-se, enquanto Tomoyo Kurosawa equilibra a confiança e a vivacidade de Naomi, a treinadora e estrategista.

A visão de futuro de Metallic Rouge é derivada, mas cheia de potencial

METALLIC ROUGE

A arte da colônia marciana sem nome em Metallic Rouge adota motivos comuns de ficção científica e imagens distópicas, mas foca principalmente nos Neans, deixando em segundo plano as paisagens e acessórios futuristas de Marte. A escolha de tons suaves e distópicos cria uma atmosfera específica, destacando a disparidade social desde os estádios degradados onde vivem os trabalhadores Neans até a arquitetura tecnomoderna dos ricos opulentos. Embora o cenário urbano e os espaços interiores sugiram claramente a divisão social, o Metallic Rouge não oferece uma visão única do futuro, permanecendo dentro dos limites do gênero cyberpunk e lembrando a icônica estética de Blade Runner.

Os designs de personagens são o ponto alto em termos de estilo, apresentando uma mistura emocionante de estilos de cabelo e roupas que reciclam a moda de maneira única no contexto do anime. O designer de personagens, Toshihiro Kawamoto, destaca-se ao criar personagens visualmente distintos, como Sarah, cujo rosto inocente e vestidos elegantes tentam esconder seu passado. Rouge e Naomi, representando estilos de moda de rua, exibem trajes elegantes, mas discretos, proporcionando um contraste interessante com outros personagens.

A animação de Bones brilha, especialmente em cenas sombrias de serenatas e nas intensas lutas de Metallic Rouge. O episódio final apresenta uma luta explosiva entre dois Neans em mechas, demonstrando a direção que o anime seguirá, com animação impressionante e efeitos especiais envolventes, injetando adrenalina e personalidade nos movimentos dos personagens. Os designs compactos e distintos dos trajes contribuem para tornar os personagens memoráveis, oferecendo uma abordagem fresca em um gênero frequentemente saturado no mundo do anime.


O ritmo inicialmente sereno de Metallic Rouge confere uma personalidade única ao show, estabelecendo uma estética Film Noir que se apoia fortemente na atmosfera, narrativa e na construção meticulosa do mundo, em detrimento do mero espetáculo visual. A trilha sonora desempenha um papel crucial ao gerenciar as expectativas do público em cada encruzilhada narrativa. Com uma base sonora solene, a música do Metallic Rouge envolve as cenas sombrias, acrescentando um toque bem-vindo de mistério ao conjunto. Enquanto o doce canto de Sarah desarma os ouvintes e os transporta para um estado de êxtase, a composição de Taisei Iwasaki, “Crimson Lightning”, pulsa durante as batalhas épicas de mechas. Esta trilha sonora transforma o choque metálico em um fenômeno arrepiante, incendiando as cenas com intensidade.

É neste ponto que Metallic Rouge faz uma virada significativa. O que começou como um anime de ficção científica instigante, repleto de mensagens políticas impactantes, agora se transforma em um intrincado jogo de gato e rato entre assassinos clandestinos e organizações paramilitares secretas. Embora haja a possibilidade de o Metallic Rouge continuar a aprofundar suas reflexões sociais, assim como intensificou suas cenas de ação, o palco já está montado para uma tensa e prolongada batalha pessoal entre os personagens e grupos rivais. Esta mudança sutil aponta para cenários mais espetaculares e uma tempestade iminente que promete sacudir o solo vermelho de Marte nos episódios que estão por vir. O show, ao se afastar de suas origens políticas iniciais, parece mergulhar em um território emocionante, onde as reviravoltas e conflitos pessoais prometem elevar ainda mais a intensidade da trama.

Trailer oficial

Obrigada por ler até aqui! Você sabia que o portal Meta Galáxia possui muitas resenhas e análises? Se procura por mais animes legais, você também poderá conferir em nosso portal: Resenha de Bureau of Paranormal InvestigationResenha da 1ª temporada de Black Summoner (2022)Resenha de Trigun Stampede (2023) e Resenha da 1ª temporada de Chainsaw Man: Compensou acompanhar?? Nós também temos as resenhas da 1ª temporada de Tokyo Revengers2ª Temporada de Tokyo Revengers (2023) e da Resenha da 3ª temporada de Tokyo Revengers. Além disso, você também pode ler a nossa matéria: Critérios – Como fazemos Críticas e Análises.

Come to the Dark Side. We have coffee with cookies! ☕

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here