Por que os pais shounen são tão ruins?

O anime tem muitos personagens bem desenvolvidos para as pessoas se divertirem, mas sempre parece que os pais são algumas das piores pessoas do shounen.

 Toji Fushiguro

Por que os pais shounen são tão ruins?

O anime shounen tende a apresentar algumas características muito específicas para identificá-lo como uma demografia. Normalmente, um protagonista corajoso e seus amigos buscam algum objetivo nebuloso. Às vezes, almejam ser os melhores em sua área, enquanto em outras buscam artefatos antigos, entre outras motivações. Sempre há reviravoltas mais sombrias em suas histórias, determinando as mudanças pelas quais os personagens passarão. No final, as histórias buscam ser satisfatórias e divertidas, evitando se assemelhar muito aos mangás seinen. No entanto, há algo que parece unir muitos animes shounen: pais problemáticos.

De Hunter x Hunter a My Hero Academia, a paternidade emerge como um dos maiores pontos de discórdia em toda a demografia. Quando os pais estão presentes, raramente representam os melhores exemplos de paternidade. Recentemente, em Jujutsu Kaisen, o público teve a oportunidade de conhecer Toji Fushiguro, o pai ausente de Megumi, que mal consegue se lembrar exatamente quem ele é em um flashback e demonstra disposição para vender seu próprio filho. Essa tendência é observada em todo o anime, levando o público a questionar: por que os pais nos shounen são tão problemáticos?

Por que é tão difícil ser um bom pai?

Existem alguns pais horríveis no anime shounen. Variando desde a simples ausência até o vilão absoluto, há um amplo espectro para esse tropo em particular, mas há muitas características que eles tendem a ter em comum. Esses pais tendem a ser definidos por sua ocupação ou por seu passatempo, carecem de um certo nível de empatia e têm um relacionamento fortemente contencioso com seus filhos, se é que existe algum relacionamento. Embora isso seja amplo, esses tropos estão incrivelmente presentes, especialmente em animes mais recentes, à medida que evoluíram ao longo do tempo. Três dos melhores exemplos desse tropo de mangás mais recentes são Toji Fushiguro de Jujutsu Kaisen, Enji Todoroki de My Hero Academia e Ging Freecss de Hunter x Hunter.

Começando com Ging Freecss, seu absenteísmo é basicamente o que dá início a toda a trama do mangá. A principal razão de Gon se tornar um caçador é encontrar seu pai, que partiu praticamente no segundo que pôde após seu nascimento. A princípio, Ging deixar Gon pode parecer a maior crueldade. No entanto, deve-se notar que Ging sabia que não seria um bom pai aos vinte anos e deixou Gon com as melhores pessoas que pôde.

A verdadeira crueldade foi o fato de Ging continuar enviando informações sobre si mesmo. Se ele tivesse cortado os laços com uma criança que claramente não queria, Gon provavelmente não teria arriscado tanto a vida na tentativa de se aproximar dele e encontrá-lo. Ging está totalmente desinteressado em ter Gon em sua vida e é bastante franco sobre esse fato. Ele nem visita Gon no hospital. No entanto, ele está aparentemente interessado em fazer parte da vida de Gon, mesmo sabendo que seria um pai ruim. Ele mora no cérebro de Gon sem pagar aluguel, mas a partir de agora, o destino do relacionamento pai-filho ainda está no ar.

Toji Fushiguro é um pouco mais complicado em seu relacionamento com Megumi. Ele era, originalmente, um membro rejeitado da família Zenin. Apesar de sua incrível habilidade física, sua falta de energia amaldiçoada fez dele um pária. Acabou deixando a família, odiando o mundo do Jujutsu e ficando conhecido como o “assassino de feiticeiros” e se aprofundando no jogo entre outros vícios, flutuando de mulher em mulher. Conhecer a mãe de Megumi o mudou para melhor. Ele até adotou o sobrenome dela, mas a morte dela acabou sendo mais devastadora do que qualquer coisa. Ou seja, ele voltou aos seus velhos hábitos, indo longe o suficiente para tentar vender Megumi ao clã Zenin por causa da técnica que ele conseguiu herdar ser valiosa.

Toji acaba apontando Gojo em sua direção, antes de sua morte, e até termina sua não-vida ao se deparar com Megumi no futuro, ao saber que Megumi ainda tem o sobrenome Fushiguro. Toji é um homem cruel e frio, mas pode-se argumentar que as circunstâncias o tornaram assim. Ele desistiu de Megumi jovem o suficiente para que o jovem nem se lembrasse de seu rosto. Tudo o que Megumi tem é o nome que Toji lhe deu.

O último exemplo moderno é o do pai mais envolvido com a trama principal do mangá, Enji Todoroki. Embora sua imagem tenha mudado muito no anime nos últimos anos, Enji está definitivamente na categoria de pai mau. Enji foi totalmente movido por seu desejo de superar All-Might, aplicando seu sonho a seus filhos pequenos e a pressão acabou quebrando seu filho mais velho. A incapacidade de Enji de expressar adequadamente suas emoções ou de cuidar de Toya é o que leva o menino a se tornar o infame Dabi. O que Enji tentou fazer por amor, impedindo Toya de treinar para ser um herói, acabou sendo a gota d’água. A morte de Toya foi o catalisador para o colapso total dele e de sua esposa, à medida que a violência doméstica se tornou a norma.

O desenvolvimento de Enji ao longo do mangá consistiu em reconhecer seus erros, mas não exatamente expiá-los. A natureza de My Hero Academia pede ao público que olhe para a complexa relação entre o heroísmo e a humanidade real e Enji é quase o garoto-propaganda desse conceito. Shoto e Dabi estão em extremos opostos do espectro, com uma das crianças Todoroki se elevando enquanto a outra está atolada em seu trauma. Não pode ser subestimado que isso é culpa de Enji, mas também precisa ser notado que Enji é um dos poucos pais shounen que demonstrou querer fazer um esforço para se tornar melhor do que era, mesmo que isso signifique nunca ser um parte da vida de seus filhos novamente.

Há um componente cultural


A característica mais intrigante deste tropo do pai mau é a sua notável proeminência. Além dos três exemplos mencionados acima, inúmeros outros podem ser apontados pelos aficionados de anime como ilustrações desse tema recorrente. Quando um tropo ou tema se torna ubíquo em uma forma de mídia, é razoável presumir que há uma conexão com a cultura circundante que influencia a produção dessa mídia. É bastante comum que os próprios criadores tenham experienciado algo semelhante em suas vidas reais.

A dinâmica da paternidade no Japão tem passado por transformações significativas há bastante tempo. Um estudo da Universidade de Hokkaido observou uma notável mudança nas funções dos pais nas famílias japonesas após a Segunda Guerra Mundial, sendo a alteração nas oportunidades de emprego um dos principais contribuintes. No pós-guerra, as empresas japonesas tornaram-se mais exigentes, com prazos mais apertados e horas extras não apenas esperadas, mas compulsórias.

O trabalho tornou-se o ponto central dos papéis tradicionais dos homens no contexto familiar japonês, criando uma grande lacuna entre eles e seus filhos. Nesse cenário cultural e laboral atual no Japão, os pais frequentemente precisam sacrificar a valiosa liberdade pessoal para sustentar suas famílias, tornando-se, essencialmente, ausentes em suas vidas familiares. Os pais transformam-se em figuras enigmáticas, impossíveis de serem compreendidas pelos filhos. Essa falta de conexão em casa gera um sentimento de ressentimento, especialmente entre os filhos, que passam a depender das mães para praticamente todas as necessidades.

Estudos também indicaram que, após a aposentadoria de muitos homens no Japão, suas esposas solicitavam o divórcio porque simplesmente não estavam acostumadas a estar constantemente próximas umas das outras. Curiosamente, as mães nos mangás shounen frequentemente são representadas como figuras centrais que oferecem um apoio incrível.

É plausível que muitos criadores de mangá tenham vivenciado pessoalmente essas dinâmicas ou conhecido pessoas o suficiente que as experimentaram, refletindo essas experiências em seus trabalhos. Há uma abundância de evidências que sugerem que os jovens alvos do mangá shounen podem encontrar essa representação do pai ausente mais compreensível do que a presença paterna. Será fascinante observar como esse tropo específico evolui ao longo do tempo.

Obrigada por ler até aqui! Você sabia que o portal Meta Galáxia possui muitas resenhas e análises? Se procura por mais animes legais, você também poderá conferir em nosso portal: Resenha de Bureau of Paranormal InvestigationResenha da 1ª temporada de Black Summoner (2022)Resenha de Trigun Stampede (2023) e Resenha da 1ª temporada de Chainsaw Man: Compensou acompanhar?? Nós também temos as resenhas da 1ª temporada de Tokyo Revengers e da 2ª Temporada de Tokyo Revengers (2023). Além disso, você também pode ler a nossa matéria: Critérios – Como fazemos Críticas e Análises.

Come to the Dark Side. We have coffee with cookies! ☕

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here