8 curiosidades sobre Rumiko Takahashi, a criadora de Inuyasha

Rumiko Takahashi é um dos mangakás mais renomados do mundo, que escreveu algumas das mais variadas histórias até hoje, incluindo Inuyasha e Ranma 1/2.

Rumiko Takahashi

8 curiosidades sobre Rumiko Takahashi, a criadora de Inuyasha

Rumiko Takahashi merece o reconhecimento dos otakus por proporcionar muitas de suas histórias favoritas, que vão desde Urusei Yatsura até Maison Ikkoku e InuYasha. Takahashi é conhecida por escrever principalmente histórias shounen, mas seus romances se destacam como algumas das partes mais cativantes de suas obras. Ela demonstra uma versatilidade incrível ao explorar uma ampla gama de gêneros, incluindo fantasia isekai histórica, romance contemporâneo, ficção científica e até mesmo o terror.

As criações de Takahashi têm um impacto tão significativo que foram traduzidas para diversos idiomas e exerceram uma influência notável sobre o mundo do anime isekai contemporâneo. InuYasha, em particular, estabeleceu um padrão para muitos personagens de interesse amoroso tsundere, uma reviravolta notável em um papel que antes era predominantemente desempenhado por mulheres. Mesmo suas obras menos conhecidas, como Mermaid Saga, são consideradas verdadeiras obras-primas, demonstrando a profundidade e a excelência em sua narrativa.

Rumiko Takahashi nem sempre quis ser mangaká


Rumiko Takahashi é uma das escritoras de mangá mais lendárias da atualidade, porém, seu destino inicialmente não apontava para a criação de mangás. Seu interesse por trabalhos criativos surgiu, mas foi somente após completar um curso de desenho de um mês que ela decidiu trilhar esse caminho.

A paixão de Takahashi pela leitura era notória, embora por um período ela tenha se afastado dos mangás. Ela fez sua estreia como mangaká em 1975, quando tinha apenas 18 anos. Mesmo não sendo uma entusiasta fervorosa dos mangás desde a infância, ela deu início à sua carreira de maneira precoce, marcando seus primeiros passos com histórias como “Star of Futile Dust”.

Os romancistas influenciaram Rumiko Takahashi mais do que outros mangás


A maior influência criativa sobre Rumiko Takahashi é o renomado romancista Yasutaka Tsutsui, conhecido por obras como “A Garota que Saltou no Tempo” (possivelmente influenciando até o título do primeiro episódio de Inuyasha, “A Garota que Superou o Tempo… e o Menino que Acabou de Superar”) e “Paprika”. As obras de Tsutsui também foram adaptadas para filmes de anime icônicos.

As narrativas de Tsutsui são notavelmente criativas e surreais, repletas de humor negro e complexidades psicológicas. Rumiko Takahashi destaca a importância de os criativos se dedicarem à leitura diversificada. Imersão em uma ampla gama de obras literárias ajuda a enriquecer a criatividade e a cultivar narrativas únicas.

Rumiko Takahashi adora histórias de amor

InuYasha

No início de sua carreira, Rumiko Takahashi expressou seu apreço por histórias de amor, embora não as tenha frequentemente como foco principal em seus trabalhos. Apesar de suas obras não se limitarem a romances simples, muitas delas, tanto nas fases iniciais quanto posteriores, apresentam subtramas de romance envolventes que se tornam parte intrínseca dos personagens e do mundo que criou. Títulos como Inuyasha e Ranma 1/2 são notáveis por suas explorações de temas amorosos.

Os romances concebidos por Takahashi são diversificados e frequentemente estabelecem tendências no gênero. Ela desempenhou um papel fundamental na definição de tropos de romance populares, incluindo o desenvolvimento de romances gradualmente construídos e a criação de triângulos amorosos. O triângulo amoroso entre Kagome, Kikyo e Inuyasha, por exemplo, é reconhecido como um dos mais icônicos em toda a história do anime.

Lum deu o tom para as waifus mágicas

Urusei Yatsura

A obra mais emblemática de Rumiko Takahashi é, sem dúvida, “Urusei Yatsura”. Este clássico perdura em sua popularidade até os dias atuais. Da mesma forma que “Inuyasha” estabeleceu o padrão para os personagens tsundere no mundo do anime, o interesse amoroso da garota em “Urusei”, Lum, desempenhou um papel fundamental na influência sobre muitos personagens subsequentes.

Lum é uma namorada mágica que traz um caos irresistível à vida de Ataru. Embora Takahashi tenha afirmado que Ataru é o protagonista da história, os fãs nutrem tanto carinho pela icônica Lum que, em suas mentes, ela assume o status de protagonista. Muitos personagens de animes e mangás posteriores seguiram o exemplo de Lum, incluindo o personagem Tohru de “Miss Kobayashi’s Dragon Maid”.

Rumiko Takahashi considera assistentes masculinos problemáticos


Rumiko Takahashi opta por trabalhar exclusivamente com uma equipe de colaboradoras femininas em sua escrita e criação. Ela expressou sua preferência em não contratar assistentes do sexo masculino, pois acredita que isso poderia gerar potenciais distrações ou complicações em seu ambiente criativo. Ela valoriza a dinâmica de um estúdio onde mulheres trabalham juntas de forma harmoniosa.

Embora Takahashi tenha como alvo um público masculino em sua escrita, essa escolha está mais relacionada às decisões editoriais e de marketing do que a restrições criativas. Seu trabalho se destaca notavelmente em relação a outras obras shonen devido à sua imaginação, à complexidade de seus personagens e aos romances ricamente desenvolvidos e repletos de nuances. Uma característica marcante é que as personagens femininas em suas histórias nunca são relegadas ao papel de acessórios para os heróis masculinos, o que era uma prática comum nas primeiras histórias shounen.

Rumiko Takahashi ainda pode revisitar Mermaid Saga

Mermaid Saga


“Mermaid Saga” se destaca de forma notável em relação ao restante do corpo de trabalho de Rumiko Takahashi em diversos aspectos. Esta série é um mergulho no terror psicológico, ambientado no mundo contemporâneo e entremeado com flashbacks de épocas históricas, acompanhando a história de dois amantes imortais. Além disso, a série busca inspiração no folclore das sereias japonesas, retratando essas criaturas como seres canibais e sedentos por sangue.

A série encontrou um público um tanto ambíguo, e a adaptação do anime, intitulada “Mermaid Forest”, acabou sendo cancelada mesmo após uma considerável edição de cenas violentas do mangá. No entanto, o relacionamento dos amantes é notável por começar de maneira precoce e se desenvolver de forma bela, serena e constante ao longo da narrativa. “Mermaid Saga” é uma série peculiar, encantadora e aterrorizante que não recebeu novos lançamentos há décadas. No entanto, em 2009, vários anos após o lançamento do último capítulo, Takahashi mencionou que ainda considerava a série inacabada e poderia acrescentar algo a ela no futuro.

O processo de idealização de Rumiko Takahashi é bastante livre e colaborativo


O processo criativo dos autores favoritos sempre desperta a curiosidade das pessoas. Rumiko Takahashi, conhecida por seu comprometimento com prazos e por suas influências diversificadas, revela uma abordagem notavelmente orgânica e descontraída na escolha de seus próximos projetos.

Para decidir qual será sua próxima obra, Rumiko Takahashi mergulha em seu caderno de desenhos, compartilhando suas criações com seu editor para avaliar qual delas arranca as mais sinceras risadas. Ela reconhece que a arte é um esforço colaborativo e, em algum ponto do processo criativo, valoriza a importância de ter uma espécie de caixa de ressonância para suas ideias.

Rumiko Takahashi estudou história na universidade

Não é o fim do mundo se alguém não seguir uma carreira diretamente ligada ao seu diploma universitário, como exemplificam mangakás como Rumiko Takahashi e Naoko Takeuchi. Os estudos de Takahashi, por exemplo, desempenham um papel valioso e enriquecedor em sua prática artística. Isso é evidente em sua obra mais popular, “Inuyasha”, que se situa no contexto de uma fantasia histórica.

Os mundos históricos criados por Takahashi são ricos em detalhes e apresentam uma notável sensação de realismo, mesmo com a inclusão de elementos de fantasia. Além disso, seu profundo conhecimento em mitologia e folclore desempenha um papel significativo em muitos de seus personagens e seres sobrenaturais. Isso ficou evidenciado em Inuyasha e Mermaid Saga.

Referência: CBR

Obrigada por ler até aqui! Você sabia que o portal Meta Galáxia possui muitas resenhas e análises? Se procura por mais animes legais, você também poderá conferir em nosso portal: Resenha de Bureau of Paranormal InvestigationResenha da 1ª temporada de Black Summoner (2022)Resenha de Trigun Stampede (2023) e Resenha da 1ª temporada de Chainsaw Man: Compensou acompanhar?? Além disso, você também podem ler a nossa matéria: Critérios – Como fazemos Críticas e Análises.

Come to the Dark Side. We have coffee with cookies! ☕

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here