10 RPGs de mesa LGBTQ+ para jogar com os amigos

A narrativa LGBTQ+ está viva e bem na cena dos jogos de mesa, permitindo que os jogadores explorem esses temas mais amplamente.

Thirsty Sword Lesbians - RPGs de mesa LGBTQ+ para jogar com os amigos

10 RPGs de mesa LGBTQ+ para jogar com os amigos

Mês do orgulho LGBTQ+! Dessa forma, não perderíamos a chance de publicar os 10 RPGs de mesa LGBTQ+ para jogar com os amigos! No mundo dos jogos de RPG de mesa, os jogadores podem fazer o impossível. Eles podem matar dragões, encontrar horrores desconhecidos e salvar o mundo. Os jogadores também podem se tornar quem quiserem, incorporando totalmente seus personagens. À medida que os TTRPGs progridem, isso inclui a capacidade de habitar totalmente as identidades LGBTQ+, tanto na interpretação quanto na mecânica do jogo.

Embora sempre tenha sido possível para um jogador construir um personagem LGBTQ+ em TTRPGs, isso não foi necessariamente encorajado pelo próprio jogo. Com os TTRPGs independentes em ascensão, muitos desenvolvedores criaram ambientes únicos onde o gênero ou a sexualidade de um personagem é tão importante para o jogo quanto suas habilidades selecionadas.


Sem mais delongas, confira então a nossa lista de 10 RPGs de mesa LGBTQ+ para jogar com os amigos!

Blue Rose

Blue Rose: Romantic Fantasy

Disponível para venda pela Amazon

Blue Rose, um TTRPG executado no motor AGE, é uma fantasia romântica. Os desenvolvedores de Blue Rose descrevem a fantasia romântica como sendo adjacente à fantasia tradicional, mas com pequenas diferenças. Na fantasia romântica de Blue Rose, sexismo e homofobia são falhas que sociedades e entidades lutam para superar ou qualidades de inimigos que os heróis devem conquistar. A magia não é um campo de estudo raro e complexo, mas um dom inato que faz parte de alguém tanto quanto seu próprio corpo. Este jogo prioriza histórias de família encontrada, preservação da natureza e descoberta de si mesmo.

Monsterhearts And Monsterhearts 2

10 RPGs de mesa LGBTQ+ para jogar com os amigos  Monsterhearts And Monsterhearts 2

Na honrada tradição de suas inspirações e antecessores, Monsterhearts usa monstros e magia para contar histórias sobre adolescência e crescimento. Tanto a primeira quanto a segunda edição deste jogo colocam os jogadores no lugar de estudantes do ensino médio tentando entender as mudanças naturais e sobrenaturais pelas quais estão passando.

A desenvolvedora Avery Alder construiu Monsterhearts em experiências pessoais de ser LGBTQ+ no ensino médio. Além disso, várias páginas do sourcebook descrevem como os jogadores de Monsterhearts podem usar o sistema para explorar temas e conteúdos queer.

Thirsty Sword Lesbians

Thirsty Sword Lesbians - 10 RPGs de mesa LGBTQ+ para jogar com os amigos

Disponível para venda pela Amazon

A página da Evil Hat Productions para Thirsty Sword Lesbians descreve-o apropriadamente como “um jogo de RPG para contar histórias queer com amigos”. Este vencedor do Nebula Award inclui exatamente o que o nome sugere: fanfarrões sáficos enfrentando inimigos atraentes e fazendo conexões emocionais com as pessoas ao seu redor. Thirsty Sword Lesbians tem nove tipos de personagens para os jogadores escolherem, cada um centrado em um tipo particular de conflito emocional. O livro de fontes Thirsty Sword Lesbians lindamente ilustrado inclui várias opções de configuração e sementes de histórias para que as mesas de jogo sejam construídas e se transformem em aventuras.

Dream Askew

Dream Askew

Da mesma desenvolvedora de Monsterhearts 2, Dream Askew pede aos jogadores que contem as histórias do que acontece a seguir. Este jogo sem GM e sem dados foi indicado para vários prêmios no Gen Con ENNIE RPG Awards. Ele explora o conceito de personagens queer reconstruindo uma comunidade depois que a sociedade desmoronou ao seu redor. Dream Askew não foge da marginalização ou opressão, em vez disso, pergunta como eles afetariam a forma como os indivíduos experimentam o colapso da sociedade. Ele coloca os personagens em um mundo apocalíptico com uma missão simples: proteger uns aos outros e sobreviver. Cada tipo de personagem tem várias opções exclusivas para sua descrição de gênero, aparência e estilo de guarda-roupa.

Together We Write Private Cathedrals

Together We Write Private Cathedrals - RPGs de mesa LGBTQ+ para jogar com os amigos

Embora haja evidências históricas abundantes de pessoas e relacionamentos LGBTQ+, as pessoas costumam ignorar isso rapidamente. Together We Write Private Cathedrals de Ben Roswell é um jogo baseado em escrita para dois jogadores que explora como os amantes em épocas passadas comunicaram seu relacionamento em código e segredo. Este jogo faz com que cada jogador escreva um para o outro, com uma rolagem de dados determinando quão abertamente eles podem se expressar em cada peça. Se um dos jogadores rolar um, sua escrita é destruída no final de seu turno e perdida para a história, como acontece com muitas escritas estranhas.

Sleepaway

Sleepaway

Em Sleepaway da Possum Creek Games, não há Game Master. Existem apenas conselheiros de acampamento tentando defender seu acampamento de verão do monstro que vive na floresta.

Cada um dos tipos de personagens de Sleepaway vem com uma lista de atributos que os jogadores podem escolher para construir seu conselheiro de acampamento. Uma categoria é rotulada: Descreva seu gênero. As opções variam de “Nice Boy” e “Priestess Femme” a “A Cloud Over the Sun” e “Lighthouse in the Darkness”. Para aqueles que experimentam diferenças de gênero, “Crossing Past” pode ser muito mais descritivo de quem é um personagem do que “masculino”, “feminino” ou “não binário”.

#IHunt

RPGs de mesa LGBTQ+ para jogar com os amigos

Descrito nas próprias palavras dos desenvolvedores como “um jogo de e para a comunidade LGBTQ+”, #IHunt é sobre o que acontece quando a fantasia urbana encontra a economia do show. Quando o aplicativo #IHunt é lançado, prometendo mais dinheiro do que a maioria dos trabalhadores já fez, as pessoas imediatamente entram e se tornam caçadores de monstros endossados pelo aplicativo. #IHunt é um jogo baseado em FATE que usa fantasia urbana para analisar seriamente a marginalização da sociedade e criticar a construção da economia gig. Existem também vários romances e contos ambientados no mundo de #IHunt que os jogadores podem desfrutar.

Be Gay Do Crimes

Be Gay Do Crimes

Criado por Evan Saft, Be Gay Do Crimes é um jogo sobre um grupo de amigos LGBTQ+ e todo o drama que os acompanha enquanto tentam executar o assalto perfeito. Na honrosa tradição de outros TTRPGs de uma página, Be Gay Do Crimes usa um sistema simples de dado único para incentivar o envolvimento e a interpretação do jogador, em vez de trituração de números. As duas estatísticas em que o jogo é executado, Gay e Criminal, determinam os resultados da ação e o desenvolvimento dos personagens. Se em qualquer ponto qualquer estatística atingir seis, o personagem deixa o grupo após confessar seus sentimentos gays ou sucumbir a uma vida de crime.

This Party Sucks

This Party Sucks

This Party Sucks é um jogo de construção narrativa sobre os personagens que vão a festas e tentam desesperadamente não pensar em seus ex-parceiros. Junto com as regras básicas, o desenvolvedor inclui um gerador de personagens aleatórios e ferramentas de jogo adicionais que eles desenvolveram com base no feedback dos jogadores. De acordo com a descrição do jogo, cada personagem pretende ser queer ou trans.

This Party Sucks é um jogo sincero sobre a vulnerabilidade que vem ao sair de um relacionamento e compartilhar a história desse relacionamento com os outros. Cada jogo e cada mesa experimentará esse processo de maneira diferente, mas é um tópico com o qual quase todos podem se relacionar.

Lichcraft

Lichcraft

Lichcraft de Laurie O’Connel é um TTRPG independente sobre se tornar um necromante imortal para chegar ao topo de uma lista de espera de saúde. Em Lichcraft, os jogadores tentam aprender um ritual que lhes concederá a imortalidade para que possam, eventualmente, chegar ao topo da lista de espera do Serviço Nacional de Saúde Britânico para cuidados de saúde de afirmação de gênero. Este jogo pega um sério problema contemporâneo e o aborda através do humor e da hipérbole. Cada pedaço de texto de sabor no manual do jogo é infundido com a apatia petulante particular que vem com situações em que as pessoas têm que rir ou apenas chorar.

Em conclusão, essa é a nossa lista de 10 RPGs de mesa LGBTQ+ para jogar com os amigos! O que você achou da lista? Além disso, você já conhecia algum desses RPGs de mesa?

Leia também em nosso portal: Cinco quadrinhos LGBTQIA+ para conhecer e 10 melhores filmes LGBTQ+ para assistir no mês do orgulho.

Goiana. Arqueóloga, focada em Educação Patrimonial. Redatora. Escritora. Apaixonada pela Cultura Brasileira e pela Cultura Geek. Cosplayer nas horas vagas gótica e gamer. Aqui no Meta Galáxia, colaboro com matérias sobre o universo geek: notícias, entrevistas com cosplayers, listas de filmes e animes, análises de animes e jogos, curiosidades e muito mais!

9 COMENTÁRIOS

  1. Claro que adorei Caroline! Perdoa pela
    correção dessa forma, só depois vi que não tinha elogiado como queria, até postei nas minhas redes e divulguei já!

    E parabéns por corrigir tão rápido! Você tem algum contato público que eu possa dar um oi? RPGs independentes me interessam bastante e adoraria bater um papo contigo sobre RPGs de autores LGBTQIA+(inclusive nacionais!) ♡

  2. Gente, a autora de monsterhearts e dream askew/sonhos tortos é a Avery Alder. Ela é uma mulher trans assinalada como homem ao nascer, imagino que tenha sido acidente mas seria muito bacana corrigir esse errinho que pode inclusive engatilhar leitores trans dos mais diversos

    • Oii! Tudo bem? Muito obrigada pela correção. Realmente foi acidental e já corrigi! Espero que tenha curtido a matéria (mesmo com esse pequeno bug meu) :3

    • Lógico, por que jogar RPGs opressores heteronormativos como D&D, Vampire e Kult, que têm regras muito claras proibindo o jogador de interpretar personagens LGBTQBDHAJAHEUBFJKAIWHBEVRKGIFJBAVW FUI+-? Por isso precisamos segregar e criar algo único e exclusivo. Heteros e gays não podem jogar juntos. Sou bissexual, jogo TTRPGs desde às Aventuras Fantásticas. Esse tipo de bobagem definitivamente não me representa.

      • Olá, Leandro. Em nenhum momento, qualquer pessoa aqui falou que você precisa gostar dos RPGs LGBTQIA+ ou obrigatoriamente precisa se sentir representado. Contudo, você pode ver pelos comentários: não é importante para você, mas é legal para outras pessoas. Por favor, deixe a sua opinião a vontade, mas cuidado com esse detalhe. Duvido que você ache legal que falem que as suas coisas são pura bobagem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here